Brasas

Uma Guerra por nada

5 de julho de 2019 às 09h33

Não sou de me imiscuir na economia interna de empresas privadas. Ainda mais do meu ramo profissional e muito mais onde já trabalhei. É uma questão de ética mínima. Elas são e devem ser geridas pela conveniência e política interna de seus dirigentes. Mas, por dever de ofício, é preciso registrar que a Rádio Correio FM passou do ponto ao suspender por dois dias a jornalista Verônica Guerra de um dos seus programas. Pode até se discordar dele, porém o comentário de Verônica sobre as oito mortes em confronto policial na Paraíba foi razoável, dentro dos limites do pensamento. Nada que justificasse a reação irada da Caixa Beneficente da PM e nem a punição. Por discordância e pela paz, Guerra teve a dignidade de pedir pra sair. Coisa para poucos.

Vídeo

Repórter MaisTV: câncer de mama, da dor da descoberta à luta pela cura


A estilista daquele modelo

Terta, a vizinha, amanheceu na janela perguntando às amigas da calçada qual cor deveria comprar o vestido para o batizado da neta. Dona Candinha, sem nem ser chamada, gritou da outra janela:

"LARANJA, tá na moda!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de peitar Carlos e Eduardo, os dois filhos de Bolsonaro, como fica o ‘prestígio’ de Julian Lemos com o presidente?
NÚMERO

Posição da Paraíba no Nordeste no Ranking da Competitividade dos Estados, em 2019, levantamento realizado pelo Centro de Liderança Pública.