Opinião

O saldo político da LDO para João

21 de junho de 2019 às 10h08 Por Heron Cid

(Marizópolis-PB) – A Lei de Diretrizes Orçamentária é um instrumento corriqueiro na gestão pública. Tecnicamente, uma peça prévia para o orçamento do ano vindouro.

Na Paraíba, ela ganhou outro contorno e intensos debates, com discordâncias e até crises interpoderes.

A aprovação agora, sem escoriações, virou por si só um ponto fora da curva. E nesse ponto o governador João Azevedo soube tirar proveito institucional e político em seu favor.

João dialogou intensamente com os poderes. Cedeu até onde deu e convenceu onde não tinha como avançar. No geral, convenceu e costurou um acordo aprovado por todas as partes envolvidas.

Sua base na Assembleia correspondeu, em côro. Sem qualquer sobressalto, e sob a regência do presidente Adriano Galdino, o Poder endossou uma peça de conciliação, sem fraturas e traumas.

Saiu do processo com força política e com uma base coesa. Aos poucos, com discretos e pequenos gestos, João vai ficando com estatura maior. E própria.

Vídeo

Entrevista: TJ “volta a respirar” com cortes na folha e ‘novo’ duodécimo


Na chapa

Dona Candinha sobre as últimas trapalhadas verbais do presidente:

"O filho frita hamburguer e o pai a si mesmo!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Todos no PSB ficaram felizes com a aprovação do governo João Azevêdo?
NÚMERO

62,7%

Percentual dos entrevistados da pesquisa Opinião/Arapuan que julgam o governador João Azevêdo como “trabalhador”.