Opinião

Moro sobrevive

20 de junho de 2019 às 11h25 Por Heron Cid

Tal qual o filme de Eduardo Coutinho, o ministro Sérgio Moro foi à sabatina na CCJ do Senado como um “Cabra Marcado para Morrer”.

Na mira dos diálogos vazados pelo site The Intercept, ele era o alvo preferencial a ser abatido ontem, com exibição ao vivo e nacional.

Pelo grau de adversidade no front que enfrentou, o ex-juiz até que se saiu bem. Foi moderado nas respostas, não entrou em provocações pessoais e sustentou não ter cometido ilegalidade.

A munição dos dois lados não passou do esperado e óbvio. Aliados governistas em defesa da Lava Jato e adversários repetindo o mantra de sempre.

Pouco debate jurídico e muita política, a reprodução da cantilena de sempre, lado a lado. O palanque armado.

Sem alterações substanciais.

Da sabatina, Moro saiu como dantes: questionado no perfil de magistrado e método de condução dos processos. E pelo mesmo universo: os operadores do Direito e adversários políticos.

Como agente político, o que escolheu ser quando deixou a toga, sobreviveu. Continua defendido pelos seus admiradores e criticado pelos seus inimigos.

Arranhado como homem da Lei, preservado como figura cada vez mais política.

Mais longe de uma vaga no STF, mais perto de uma disputa eleitoral.

Vídeo

Entrevista: TJ “volta a respirar” com cortes na folha e ‘novo’ duodécimo


Na chapa

Dona Candinha sobre as últimas trapalhadas verbais do presidente:

"O filho frita hamburguer e o pai a si mesmo!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Todos no PSB ficaram felizes com a aprovação do governo João Azevêdo?
NÚMERO

62,7%

Percentual dos entrevistados da pesquisa Opinião/Arapuan que julgam o governador João Azevêdo como “trabalhador”.