Opinião

Queda de braço à vista

14 de junho de 2019 às 11h00 Por Heron Cid
Roberto Barroso e Gilmar Mendes: julgamento de suspeição de Moro deve colocar os dois de novo em contenda

Nos meios jurídicos e políticos, divididos em opiniões sobre as revelações em torno da Lava Jato, uma pergunta é consenso: qual será a consequência prática?

No âmbito do STF, onde a polêmica vai desaguar por ocasião do julgamento da suspeição de Moro, prestes a, “coincidentemente”, ir à pauta, o debate tende a ser polarizado.

Inevitavelmente, as correntes vão se revelar.

Uma pró-Lava Jato e a favor dos efeitos paradigmáticos da operação no combate à corrupção, alto grau de punibilidade e recuperação de recursos desviados. O ministro Luís Barroso, por exemplo, é um dos seus signatários.

A outra, liderada por Gilmar Mendes, é ‘garantista’ e deve despejar todo o volume de argumento para desconstruir o método adotado por Sérgio Moro e Deltan Dallagnol na investigação, prisão e condenação.

Por fora, operadores do Direito e opinião pública fazem suas apostas.

De um lado, advoga-se que se não houver nenhuma providência superior, como anulação dos processos e o reconhecimento da suspeição, a República de Curitiba sairá ainda maior e autorizada a atropelar princípios constitucionais. E com todos os efeitos reflexos na atuação dos órgãos da Justiça nos estados.

Na contramão, a segunda ala torce para que o STF rechace os “ataques” à Lava Jato e não permita que a luta contra a corrupção endêmica, referendada pela maioria da população, regrida à estaca zero e a anarquia com recursos públicos volte a ser regra com grandes chances de impunidade.

Imprensada pela pressão de todos os lados, a Corte pode arranjar uma saída salomônica: advertir contra os excessos verificados, sem abrir espaço para retrocesso, se é que é possível.

De que lado ficará o STF? Um supremo dilema no caminho.

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).