Bastidores

No país de Murphy, quase tudo dá errado (por Nelson Motta)

14 de junho de 2019 às 17h00
Funcionários limpam a sujeira do espelho d'água da frente do Congresso Nacional Foto: Ailton de Freitas / O Globo

‘Se alguma coisa pode dar errado, dará. E no pior momento.”

É a essência da “Lei de Murphy”, criada por um engenheiro aeroespacial americano em 1949, que tem sido comprovada inúmeras vezes na nossa vida pessoal e coletiva. Claro, todas as vezes em que nada dá errado nem se percebe, mas a memória seletiva não esquece os erros, ou a “falta de sorte”, e pior, muitas vezes não se aprende com eles.

O tempo passa, o relógio marca, e o que poderia dar errado no Brasil está dando, há um bom tempo, muitas vezes provocado pela excelência dos nossos governantes no esporte em que somos campeões mundiais: o tiro ao pé. Quase sempre acertam nos quatro.

Enquanto o déficit fiscal aumenta, e diminuem as expectativas de crescimento, as mais urgentes reformas vão atrasar porque os deputados não podem perder as festas de São João. Pulando fogueiras de dinheiro público. E dançando quadrilha.

Quando o número absurdo de assassinatos, finalmente, começa a cair, com mais armas nas ruas só pode crescer. A menos que mais tiros provoquem menos mortes. Sei lá, no Brasil, até o passado é imprevisível, reza a máxima de Pedro Malan.

E como a besta está solta, e hacker que bate lá bate cá, imaginem se invadem o WhatsApp dos Bolsonaro? Do Rodrigo Maia? Do Paulo Guedes? Da Segundona do Supremo? Ou o meu? O seu?

Enquanto isso, os jovens deputados Tabata Amaral, 25, Kim Kataguiri, 23, e Felipe Rigoni, 28, em conversa com Pedro Bial, acendiam uma chama de esperança em milhões de descrentes na política e nos políticos. Eles representam a Lei Anti-Murphy, os melhores no pior momento. No meio do lixo parlamentar que atravessa gerações, são novos políticos, com novas ideias, compromissos e comportamento.

Rigoni tinha tudo para dar errado. É cego desde os 15 anos, mas se formou em Engenharia de Produção como o melhor aluno da turma e fez mestrado em Políticas Públicas em Oxford como bolsista. Liberal na economia e progressista nos costumes, enxerga o Brasil melhor do que a maioria dos seus colegas.

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.