Bastidores

General salta no meio do fogo (por Ricardo Noblat)

14 de junho de 2019 às 09h00
O comandante militar do Sudeste, General Luiz Eduardo Ramos Baptista - 18/04/2019 (Marcos Corrêa/PR)
Não brinque com paraquedista. Uma pessoa capaz de pular de um avião em grande altura agarrado a uma espécie de balão de naylon que se não abrir ela morre, merece a admiração de quem jamais ousaria arriscar a tal ponto a própria vida. Por sua coragem, uma pessoa assim deve ser temida.

Com a demissão, ontem, do general Carlos Alberto de Santos Cruz, ministro da Secretaria do Governo, e sua substituição pelo general Luiz Eduardo Ramos, que chefia o Comando Militar do Sudeste, o primeiro escalão do governo do presidente Jair Bolsonaro ganha seu terceiro paraquedista, dois com assento no Palácio do Planalto.

Bolsonaro é o mais conhecido, embora não o mais graduado dos três. Não passou de capitão. Foi afastado do Exército por indisciplina e conduta antiética. O outro paraquedista é o general da reserva Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa. Luiz Eduardo Ramos é general da ativa, o segundo com cargo no governo.

O primeiro foi o atual porta-voz da presidência da República, general Otávio Santana do Rêgo Barros. Mas ele é um general de Divisão com três estrelas nos ombros. Fernando Azevedo e Silva é general do Exército com quatro estrelas. E com outra vantagem: dos três, é o mais amigo de Bolsonaro que o chama de “meu ptibull”.

Dentro do Alto Comando do Exército, no ano passado, ninguém trabalhou mais pela eleição de Bolsonaro do que Fernando Azevedo e Silva. Depois da facada em Juiz de Fora, o general visitou Bolsonaro várias vezes no hospital Alberto Einstein, em São Paulo, e depois em sua casa na Barra da Tijuca, no Rio.

A vida do novo ministro é pontuada por boas histórias. Adido militar em Israel, precisava se enturmar. Então decorou o Hino de Israel e aprendeu a cantá-lo em hebraico. Quando o fez pela primeira vez, encantou os israelenses e as portas se lhe abriram. Passou a ser convidado para todas as cerimônias oficiais.

Foi menos agradável a sua estadia na Sérvia, onde serviu nas das Forças de Paz da ONU. Ali, em Kosovo, sua tarefa era contar o número de bombas lançadas sobre a cidade durante a guerra. Naturalmente que não o fazia pessoalmente. Tinha soldados sob seu comando encarregados de contar. Mas a responsabilidade era dele.

Uma vez que tome posse do novo cargo, o tipo de encrenca que será obrigado a enfrentar testará todas as habilidades que adquiriu em combate. Nada mais efêmero do que o poder político. E nada também mais perigoso, mesmo que para um paraquedista. De tão amigo de Bolsonaro, Santos Cruz só o tratava de “você”.

O general demitido caiu porque Bolsonaro acreditou que ele fizera comentários desabonadores a seu respeito nas redes sociais. Pura intriga. Mas de nada adiantou Santos Cruz desmenti-la. O que de fato o ejetou da cadeira foi a oposição ao seu nome movida pelos filhos do capitão e por Olavo de Carvalho, guru do clã Bolsonaro.

Santos Cruz mandava na comunicação do governo. Por questão ideológica e financeira, os garotos e Olavo sempre quiseram mandar. Venceram a parada. E agora vão querer usufruir do butim. Resta saber como se comportará o paraquedista Fernando Azevedo e Silva diante de tamanho desafio. Boa sorte!

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.