Opinião

O implacável tribunal das redes sociais

6 de junho de 2019 às 12h09 Por Heron Cid

O jornalista Reinaldo Azevêdo tratou o tema com propriedade e argumentação sólida, como é de sua estirpe.

O caso Neymar é o exemplo mais recente, nem de longe o único. Há uma profusão deles.

A cada crise ou fato de repercussão, o fenômeno se repete.

Antes de qualquer veredito das autoridades sobre uma investigação ou denúncia, uma convicção vai se formando noutra esfera: a praça digital.

Nas redes sociais, há pareceres e sentenças prévias. Ora inocentando, ora acusando.

Ninguém espera mais pelo desfecho. Todos são estimulados a ter uma convicção inarredável, inabalável. Definitiva.

Culpado ou inocente, ninguém escapa do tribunal das redes sociais.

Esse é implacável. Mas, quase sempre, apressado, superficial. E, por isso mesmo, tende a ser impreciso e injusto.

Triste de quem sentar como réu no seu banco. Não há defesa e nem chance de absolvição.

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).