Opinião

Efeito colateral: fratura no governo imobilizou oposição

5 de junho de 2019 às 10h36 Por Heron Cid
Enquanto governistas batiam cabeça, oposição esvaziou artilharia de críticas e ficou à espreita no front

Natural que a crise interna no PSB, notadamente entre o ex-governador Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo (PSB), deixasse o governo de sobressalto e de orelha em pé.

O descompasso entre os dois líderes socialistas, contudo, teve potencial de provocar um surpreendente efeito colateral.

Enquanto eles trocavam indiretas na imprensa, deputados da oposição paralisaram.

As críticas ao governo foram substituídas por acenos e elogios a atos e posturas de Azevêdo.

Quando não o silêncio e a falta de apetite por qualquer agenda negativa.

Até os desdobramentos da rumorosa Operação Calvário saíram da ordem do dia.

Todos aguardando um desfecho do atrito girassol. E, claro, torcendo pela ruptura, que geraria nova configuração política e rearrumação de forças no Estado.

O rompimento, como se sabe, não veio. Pelo contrário, com o recuo de Ricardo, o armistício foi selado aos olhos do público e com direito a fotos na última plenária do Orçamento Democrático.

Para uma coisa, pelo menos, o ruído entre os dois serviu ao governo: nesse período, o Palácio ficou blindado. E a oposição à espreita, recuada no front.

A guerra no PSB, ironicamente, provocou cessar-fogo da oposição. Até quando?

Vídeo

Entrevista: Anísio, da “roça” da suplência à “produção” da Assembleia


In Gilmar we trust

Dona Candinha acha que os corruptos estão parafraseando o diálogo de Moro e Dallagnol sobre Fux e conversando entre si:

"Em Gilmar Mendes nós confiamos!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se a moda pega e hackers começarem a vazar conversas entre magistrados e promotores nos estados?
NÚMERO

R$ 5.443.865,48

Valor empenhado pela Prefeitura de Campina Grande para pagamento de combustíveis, no ano de 2018, segundo relatório de auditoria do TCE, que alertou o município por maior eficiência na compra.