Opinião

Quando um não quer, dois não brigam

2 de junho de 2019 às 08h27 Por Heron Cid
Se maio foi de labaredas, junho começou no Jardim Girassol com chuva, o símbolo da fecundidade

O ditado é velho, mas sua eficácia é atemporal. Só há confronto quando os dois pólos de uma contenda assim o querem.

Durante maio quase inteiro, era o mal que fez o ex-governador Ricardo Coutinho e o governador João Azevêdo andarem em descompasso.

Declarações ácidas de um lado, gestos de revide do outro, críticas de alas do PSB e falta de sintonia em temas comuns provocaram frisson na base aliada, preocupação entre aliados dos dois e certa torcida da oposição e até de setores governistas.

A aparição “surpresa” de Ricardo e João, juntos, ontem, no simbólico Orçamento Democrático de João Pessoa, com direito a discursos e palavras de unidade, de parte a parte, superou um mês do stress que deu margem para elucubrações na imprensa e no reino da política.

Independente de intermediários e pacificadores, eles próprios, no fundo, sabem que uma eventual ruptura seria semelhante a uma colisão frontal de veículos. Ninguém estaria a salvo das avarias.

A dúvida é só uma. Quem soltou a corda esticada? Ricardo? João? Dá pra arriscar: ambos.

Ricardo não abre mão do seu estilo e do seu papel político, mesmo fora do governo. João já deu mostras suficientes: não abdica de conduzir a gestão e a política ao seu modo. Em vez de repelir, os dois podem se completar. Cada um no seu quadrado e habilidade.

Pragmaticamente, um precisa do outro. João da força política e prestígio eleitoral de Ricardo. Coutinho da argamassa do governo para seus projetos vindouros. Essa elementar constatação política deve ter pesado e colaborado ao encaminhamento dado ontem.

Pelo clima asfixiante de outrora, respira-se aliviado no governo. Ninguém precisará passar pelo desconforto e agonia da escolha, entre um e outro, em tão pouco tempo.

Doravante, defensores e beneficiários da unidade, sobretudo da cúpula do PSB, devem rezar e contribuir para que, a cada novo impasse, os dois continuem comungado e praticando o velho adágio pelos próximos meses e anos.

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).