Opinião

Ricardo dá cartão amarelo para João

26 de maio de 2019 às 17h43 Por Heron Cid
Palavras e gestos do ex-governador Ricardo Coutinho emitem sinal de alerta para sucessor, João Azevedo

Ricardo Coutinho é um animal político. A política para ele está como o oxigênio para a vida. Por isso, seria difícil esperar do socialista um período de hibernação, de reclusão e silêncio, como geralmente fazem chefes de Estado pós-governos. 

É que, por princípio republicano, recomenda-se a tradicional e respeitosa trégua quando o sucessor é um adversário. Quando a sucessão pare um aliado, aí o esforço é dobrado para evitar que qualquer movimento ganhe ares de descortesia e provoque ofuscamento e constrangimento contra quem assumiu e até a interpretação de ciúme e desconforto da parte do antecessor.

Jaques Wagner, na Bahia, adotou a diplomacia com Ruy Costa. Quatro anos depois, voltou senador. Até o temperamental Cid Gomes (PDT), idem, com Camilo Santana, de outro partido, o PT.

Uma etiqueta que pode até exigir certo esforço em situações mais agudas. No caso da Paraíba, por enquanto não é possível precisar qual fato exato ou insatisfação específica impulsionou o ex-governador Ricardo Coutinho a romper essa regra de convivência com aquele que fora pessoalmente escolhido para sequenciar seu “projeto”. E em tão curto espaço de tempo.

O que se sabe, e agora pela boca dele próprio e não mais por informação de bastidores ou leitura jornalística, como registrada aqui outrora, é da latente insatisfação de Coutinho para com a condução política e administrativa de João Azevêdo, aquele a quem, na campanha, Ricardo imputava, por vezes, qualidades e atributos superiores a si mesmo.

Antes, a crítica era só do PSB e interna. A leitura pessoal do ex-governador foi expressa publicamente e pela primeira vez durante longa entrevista (aproximadamente três horas), na Câmara Municipal de Cajazeiras, transmitida para uma cadeia (articulada pelo próprio Ricardo) de emissoras da cidade. E do pronunciamento pode se extrair, sem exageros, o sabor acre de pontos principais, customizado com perícia e esmero nos ingredientes selecionados, dignas de um ás da política.

Coutinho empreende notório esforço para convencer o público de ter feito “pouquíssimas (!?) indicações” ao governo. Até onde se sabe, João Azevêdo “printou” o primeiro escalão anterior. A configuração só mudou depois do avanço da Operação Calvário com as saídas de Livânia Farias, Waldson Souza, Gilberto Carneiro e Amanda Araújo. Residiria aí a grande queixa: a saída do quarteto eminentemente ricardista e o fato de os substitutos não terem passado pelo crivo do ex-governador?

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).