Bastidores

Reação de Bolsonaro prova que caso Queiroz volta a perturbar governo (por Bruno Boghossian)

17 de maio de 2019 às 11h00

quebra do sigilo bancário de Flávio Bolsonaro e de outras 85 pessoas perturbou o Palácio do Planalto. “Nossa Senhora, hein? É uma Lava Jato aí”, rebateu o presidente nesta quinta-feira (16), em Dallas. “Vai fundo, tá ok? O objetivo é querer me atingir”, provocou.

reação do governo ao avanço das investigações sobre o gabinete do filho mais velho do clã Bolsonaro revela a dimensão dos danos que o inquérito pode provocar. O presidente, que buscava se descolar do caso, assumiu uma defesa pública de Flávio, enfrentou o Ministério Público e acusou promotores de ilegalidades.

Jair quer resguardar o filho no momento em que os investigadores apontam de maneira cada vez mais incisiva para um esquema de desvio de salários. O inquérito sugere que o ex-assessor Fabrício Queiroz comandava o recolhimento do dinheiro, mas os promotores dizem que ele não era o chefe daquele arranjo.

Ao tentar proteger o filho, o presidente acaba trazendo a investigação para seu colo. “Querem me atingir, venham para cima de mim. Querem quebrar o meu sigilo? Eu abro o meu sigilo, não vão me pegar”, desafiou.

A extensão das apurações do Ministério Público indica que o inquérito tem potencial para sangrar o governo por um bom tempo e pode respingar no presidente. Entre os funcionários de Flávio que tiveram o sigilo quebrado, estão assessores que também trabalharam para Jair.

A família fez campanha com o discurso altivo da moralidade, mas agora ataca os investigadores. “Estão fazendo um esculacho em cima do meu filho”, queixou-se o presidente. É difícil ignorar, porém, as 19 transações imobiliárias de Flávio e as explicações contraditórias de Queiroz sobre sua movimentação financeira.

Enquanto não surgem respostas convincentes, os promotores tentam fazer uma pesca de arrastão. O inquérito lançou uma rede sobre os dados bancários de dezenas de pessoas nos últimos 11 anos. A medida, considerada excessiva, mostra que os investigadores estão dispostos a capturar peixes graúdos.