Bastidores

Com caixa-preta de Flávio, estudantes podem implodir Bolsonaro (por Fernando Canzian)

16 de maio de 2019 às 13h00

Ao chamar de idiotas os estudantes que fizeram o primeiro grande ato contra seu governo, Jair Bolsonaro talvez tenha comprado a pior briga possível contra a sua breve e precária administração.

Ela poderá transformar um protesto que seria apenas legítimo e corriqueiro em uma onda de repúdio ao presidente e à reforma da Previdência, sem a qual Bolsonaro certamente será um tremendo fracasso.

Estudantes não só têm muita energia como tempo de sobra para se engajar em algo que pode virar rotina.

Quem já participou desse tipo de movimento sabe como é interessante o engajamento político, muitas vezes o primeiro da vida, e como ele se transforma em oportunidade para pensar e socializar entre os jovens.

Foi algo que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) sentiu na pele em São Paulo durante protestos em 2015, quando estudantes ocuparam 196 escolas no estado, além de protestar seguidamente na capital, obrigando-o a recuar numa reorganização do ensino.

Os caras-pintadas que ajudaram a derrubar Fernando Collor em 1992 também seguiram lógica parecida, de um protesto inicial a uma rotina de crescentes manifestações. Deu no que deu.

Agora, diante da agressividade mal educada do presidente, talvez não reste nada melhor aos estudantes e seus simpatizantes do que protestar bravamente contra um governo que se posiciona quase sempre de maneira ofensiva contra o intelectualismo, a diversidade e a liberdade de expressão.

Até que demorou. Mas, genial como sempre, o próprio Bolsonaro acabou dando a deixa.

Para completar o senso de oportunidade do presidente, as declarações que inflamaram os estudantes vêm na sequência da abertura da caixa-preta de Flávio Bolsonaro e de mais de 90 investigados no Rio, entre eles suspeitos de corrupção no Estado e milicianos próximos.

Dependendo do que sair daí, ter xingado estudante de idiota terá sido a maior estupidez.

Folha

Vídeo

Repórter MaisTV: câncer de mama, da dor da descoberta à luta pela cura


A estilista daquele modelo

Terta, a vizinha, amanheceu na janela perguntando às amigas da calçada qual cor deveria comprar o vestido para o batizado da neta. Dona Candinha, sem nem ser chamada, gritou da outra janela:

"LARANJA, tá na moda!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de peitar Carlos e Eduardo, os dois filhos de Bolsonaro, como fica o ‘prestígio’ de Julian Lemos com o presidente?
NÚMERO

Posição da Paraíba no Nordeste no Ranking da Competitividade dos Estados, em 2019, levantamento realizado pelo Centro de Liderança Pública.