Opinião

Bolsonaro, militares e o reino dividido

14 de maio de 2019 às 11h11 Por Heron Cid
O presidente Jair Bolsonaro (Fernando Souza/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro e seus ideólogos parecem naturalmente propensos à auto-implosão. A crise com os militares é o epicentro dessa demonstração.

São raros os indícios de unidade de pensamento e ação.

Um governo, claro, não é feito só de ideias semelhantes, mas para ter êxito se faz necessário que as diferenças encontrem um eixo de convergência.

A disputa interna do grupo mais próximo – familiar e ideologicamente – ao presidente atira exatamente no pilar do Palácio que mantém respiros de credibilidade ao governo; os militares (quem diria?!).

De tanta queimação e choques internos, Bolsonaro já considera a possibilidade de demitir o general Santos Cruz, da Secretaria de Governo, que detém controle sobre a comunicação, área disputada por Carlos Bolsonaro, a eminência parda da república bolsonarista.

Os ataques aos militares tornaram-se praxe. Carlos pratica essa arte quase como hobby. Olavo de Carvalho, o pensador-mor do bolsonarismo, idem.

General Hamilton Mourão, que virou a voz da ponderação do inflamável governo, é alvo permanente. Ele é um dos que comete o grave crime de pensar um pouco diferente e de contrabalancear o fundamentalismo majoritário.

Como não pode ser removido pela BIC de Bolsonaro, resta-lhe o tratamento de estorvo e a desqualificação pública.

Afeitos à princípios bíblicos, Bolsonaro e Companhia não podem esquecer de um sábio conselho registrado no Livro de Mateus, capítulo 12, verso 25.

“Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá”. 

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).