Opinião

O ‘velho’ PSDB e a transição de sobrevivência ao ‘novo’

6 de maio de 2019 às 11h10 Por Heron Cid

Pedro Cunha Lima, deputado federal ascendente na Câmara, assumiu, ontem, a presidência do PSDB paraibano. Com a posse, uma meta em forma de slogan: um novo tempo, um novo PSDB.

A frase abriga a admissão do novo contexto político brasileiro. As pessoas, as instituições, os partidos e a política mudaram.

Há em movimento a constituição de uma cidadania mais participativa fiscalizadora a obrigar novas posturas de agentes públicos, fadados a se renderem à transparência e cobrança pública dos seus atos.

O PSDB, que governou o Brasil por oito anos e a Paraíba também pelo mesmo período, e depois liderou lá e cá a oposição, passou por sísmicos abalos nas últimas eleições.

No campo nacional, a legenda quase foi à falência. Saiu desidratada à exaustão do processo político recente. Perdeu a hegemonia do contraponto ao PT para um homem só, Jair Bolsonaro.

Na Paraíba, o partido preservou suas bancadas na Assembleia e na Câmara, saldo positivo do trabalho do ex-presidente Ruy Carneiro, mas perdeu a vaga do Senado e sequer teve condições de impor um nome na disputa ao governo.

Um sinal do eleitor que obriga o partido a se reinventar para enfrentar estes novos e imprecisos tempos.

A presença do jovem Pedro na condução já indica que o partido entendeu essa mensagem. A renovação tem que começa pelas caras. De preferência, com a prática a tiracolo.

Vídeo

Xeque-Mate: Catão defende investigação; “Não perco um minuto de sono”


Lua de mel

Depois de tomar conhecimento do namoro do ex-presidente Lula, Dona Candinha sabe o que ele mais quer agora:

"Se divorciar da cadeia e casar com a namorada!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com qual sentimento a vice-governadora Lígia Feliciano acompanha a crise interna do Jardim Girassol com o governador João Azevedo?
NÚMERO

83 milhões

Número de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada, como mostra levantamento da CNDL/SPC Brasil.