Bastidores

Autonomia amputada (por Helio Schwartsman)

3 de maio de 2019 às 11h00
Paciente durante tratamento em hospital na capital paulista - Lalo de Almeida - 3.ago.18/Folhapress

Entrou em vigor o novo Código de Ética Médica. Haveria vários aspectos a comentar, mas, dadas as limitações espaciais desta coluna, fixo-me na autonomia do paciente. Aqui, infelizmente, nada mudou. O órgão regulador dos médicos segue sem reconhecer que o indivíduo maior e capaz é soberano no que diz respeito às decisões sobre sua própria saúde.

Em redação idêntica à do diploma anterior, de 2009, o artigo 31 veda ao médico “desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte”. Não é preciso mais do que lógica elementar para perceber que a inclusão do “salvo em caso de risco iminente de morte” anula o que vem antes.

Ou o sujeito tem o direito de tomar decisões sobre seu tratamento, independentemente das consequências, ou não tem. É ridículo tentar limitar a autonomia à retirada de verrugas e outras situações que não ameacem a vida.

O caso paradigmático é o das testemunhas de Jeová, que, por razões religiosas, se recusam a receber transfusões de sangue. O que torna a situação desse grupo interessante para a bioética é que estamos falando tipicamente de situações agudas, nas quais a transfusão poderia salvar o doente, que depois seguiria com vida normal, e não de pacientes terminais, para os quais a medicina tem pouco a oferecer. Aqui, nossos instintos praticamente gritam por uma intervenção.

O problema é que não dá para ir contra a vontade do paciente sem passar por cima de suas crenças. E não me parece que possamos julgar o veto às transfusões como essencialmente menos razoável do que a proibição da masturbação ou da carne de porco. Como não dá para estabelecer uma hierarquia das loucuras, religiosas ou seculares, a única coisa sensata é deixar que cada indivíduo exerça sua autonomia, independentemente do desfecho.

Folha

Vídeo

Repórter MaisTV: câncer de mama, da dor da descoberta à luta pela cura


A estilista daquele modelo

Terta, a vizinha, amanheceu na janela perguntando às amigas da calçada qual cor deveria comprar o vestido para o batizado da neta. Dona Candinha, sem nem ser chamada, gritou da outra janela:

"LARANJA, tá na moda!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Depois de peitar Carlos e Eduardo, os dois filhos de Bolsonaro, como fica o ‘prestígio’ de Julian Lemos com o presidente?
NÚMERO

Posição da Paraíba no Nordeste no Ranking da Competitividade dos Estados, em 2019, levantamento realizado pelo Centro de Liderança Pública.