Opinião

Ameaça de morte: quem se solidariza com Damares?

3 de maio de 2019 às 11h34 Por Heron Cid

Antes do mês de janeiro de 2019 chegar ao fim, o deputado federal Jean Willys (PSOL-RJ) renunciou o direito de tomar posse em fevereiro e deixou o Brasil. O autoexílio, segundo o polêmico parlamentar, tinha uma razão: a preservação da própria vida diante de ameaças de morte.

Fosse com qualquer brasileiro, a situação seria preocupante. Envolvendo um deputado constituído, um fato ainda mais grave a merecer mobilizações e reações. Não foi diferente, a decisão de Jean mereceu repercussão, solidariedade e protestos.

A revista Veja noticia que a ministra Damares Alves, dona de declarações e atuação igualmente polêmica, estaria para pedir demissão do governo. Motivo? Damares seria alvo de ameaças de morte.

Em público, hoje, durante entrevista à radio Jovem Pan, Damares descartou a saída do cargo, mas admitiu que vem sendo ameaçada ao ponto de precisar se mudar para um hotel cujo endereço mantido em sigilo é monitorado pelo Gabinete de Segurança Institucional.

No episódio de Willys, o seus adversários, a começar por parte da militância de Bolsonaro, ou ignoraram, fazendo pouco caso, ou debocharam dos argumentos do deputado para sua diáspora.

Agora, meses depois, o quadro, narrado pela ministra, certamente não será bandeira de protestos, seminários, debates, postagens, notas e campanhas nas redes sociais daqueles que se engajaram pelos direitos humanos do reconhecido ativista e militante LGBT.

Ministra, mulher, crente evangélica e conservadora, Damares não se encaixa no estereótipo definido, para os padrões atuais, como aquele que merece ser alvo de sororidade ou tema de luta social.

Os dois casos constatam. No Brasil, a repulsa contra intolerância e ódio depende do quem. Não do como e o quê. É muito mais uma questão de ideologia política de guetos do que uma convicção de formação humana, cidadã e social.

Vídeo

Xeque-Mate: Catão defende investigação; “Não perco um minuto de sono”


Lua de mel

Depois de tomar conhecimento do namoro do ex-presidente Lula, Dona Candinha sabe o que ele mais quer agora:

"Se divorciar da cadeia e casar com a namorada!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com qual sentimento a vice-governadora Lígia Feliciano acompanha a crise interna do Jardim Girassol com o governador João Azevedo?
NÚMERO

83 milhões

Número de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada, como mostra levantamento da CNDL/SPC Brasil.