Opinião

Ameaça de morte: quem se solidariza com Damares?

3 de maio de 2019 às 11h34 Por Heron Cid

Antes do mês de janeiro de 2019 chegar ao fim, o deputado federal Jean Willys (PSOL-RJ) renunciou o direito de tomar posse em fevereiro e deixou o Brasil. O autoexílio, segundo o polêmico parlamentar, tinha uma razão: a preservação da própria vida diante de ameaças de morte.

Fosse com qualquer brasileiro, a situação seria preocupante. Envolvendo um deputado constituído, um fato ainda mais grave a merecer mobilizações e reações. Não foi diferente, a decisão de Jean mereceu repercussão, solidariedade e protestos.

A revista Veja noticia que a ministra Damares Alves, dona de declarações e atuação igualmente polêmica, estaria para pedir demissão do governo. Motivo? Damares seria alvo de ameaças de morte.

Em público, hoje, durante entrevista à radio Jovem Pan, Damares descartou a saída do cargo, mas admitiu que vem sendo ameaçada ao ponto de precisar se mudar para um hotel cujo endereço mantido em sigilo é monitorado pelo Gabinete de Segurança Institucional.

No episódio de Willys, o seus adversários, a começar por parte da militância de Bolsonaro, ou ignoraram, fazendo pouco caso, ou debocharam dos argumentos do deputado para sua diáspora.

Agora, meses depois, o quadro, narrado pela ministra, certamente não será bandeira de protestos, seminários, debates, postagens, notas e campanhas nas redes sociais daqueles que se engajaram pelos direitos humanos do reconhecido ativista e militante LGBT.

Ministra, mulher, crente evangélica e conservadora, Damares não se encaixa no estereótipo definido, para os padrões atuais, como aquele que merece ser alvo de sororidade ou tema de luta social.

Os dois casos constatam. No Brasil, a repulsa contra intolerância e ódio depende do quem. Não do como e o quê. É muito mais uma questão de ideologia política de guetos do que uma convicção de formação humana, cidadã e social.

Vídeo

MaisTV: especialista defende barreiras migratórias na economia da PB


Tocando fogo

Dona Candinha está estupefata com a repercussão internacional do desmatamento da Amazônia:

"O governo tá se queimando!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Veneziano Vital resistirá aos apelos do suplente Ney Suassuna para que o senador entre na disputa pela Prefeitura de Campina Grande?
NÚMERO

31,6 bilhões

Litros de etanoL na produção total verificada no 2º levantamento da Safra de cana de açúcar feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).