Bastidores

Polícia do RJ suspeita de ação e prédios de milicianos na Paraíba

2 de maio de 2019 às 10h13
Escombros na Muzema (Foto: Agência Brasil)

A reportagem é do Portal MaisPB. A informação, apurada pelo repórter Maurílio Júnior, é grave: milicianos do Rio de Janeiro, responsáveis pelo prédio que desabou na Muzema (RJ), podem ter construído edificações semelhantes na Paraíba. É o que está sendo apurado pela Adriana Belém, titular da 16ª DP (Barra). Abaixo a matéria completa:

Polícia do RJ suspeita de ação e prédios de milicianos na Paraíba

O estado da Paraíba entrou na rota dos agentes da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que investigam a tragédia na Muzema (comunidade da Zona Oeste do Rio) no mês passado, quando dois prédios desabaram. Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na Paraíba, Rio de Janeiro e Pernambuco nesta quinta-feira (2). A suspeita é da ação de milicianos cariocas em outros estados.

O objetivo é encontrar documentos, computadores e materiais que facilitem a polícia chegar aos responsáveis pela construção e venda dos apartamentos das construções que desabaram. Vinte e quatro pessoas morreram entre elas paraibanos. A Polícia Civil da Paraíba foi acionada para ajudar no caso.

Ao Portal MaisPB, a delegada responsável pelas investigações, Adriana Belém, titular da 16ª DP (Barra), disse que construções semelhantes as de Muzema possam existir na Paraíba e em Pernambuco.

Os imóveis que desabaram na Muzema foram levantados irregularmente, segundo a Prefeitura do Rio de Janeiro. Ambos chegaram a ser interditadas duas vezes (em novembro de 2018 e em fevereiro deste ano).

Portal MaisPB também fez contato com o delegado geral da Polícia Civil da Paaíba, Isaías Gualberto, que não quis falar sobre o caso.

Maurílio Júnior – MaisPB

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.