Opinião

Oposição acha um discurso

2 de maio de 2019 às 11h21 Por Heron Cid

O resultado eleitoral de 2018 na Paraíba produziu automático efeito: de um lado o apogeu da hegemonia socialista, do outro o esvaziamento do discurso oposicionista diante da hecatombe das urnas.

A fragilização do contraponto já se arrastava. Não era coisa nova, portanto, o que aumentou o desafio dos moicanos restantes, especialmente, na Assembleia. Todos incumbidos da missão delegado pelo eleitor de sustentar a bandeira adversária ao modelo administrativo e político vencedor.

Tarefa áspera, apesar da presença e esforço dos poucos quadros qualificados a fugir da curva da mediocridade.

A operação Calvário e os seus desdobramentos devolveram ao grupo oposicionista um fio de retórica para ressuscitá-la do silêncio forçado e imposto em outubro último.

Como era de se esperar, líderes da oposição apostam todas as fichas nos desdobramentos da investigação e exploram, ao máximo, o tema para desgastar o princípio do governo João Azevedo.

Contam a favor com um dado: o material de subsídio não é fabricado na Assembleia, o que poderia estar sob suspeição e logo carimbado de dor de cotovelo. Mas vem do Judiciário, o que o torna mais consistente do ponto de vista crítico.

Contumazes adversários do PSB já nem escondem a empolgação. Bruno Cunha Lima e Tovar Correia Lima, por exemplo, se apressaram essa semana para decretar o fim do governo. Um exagero e precipitação, claro, pelos elementos de hoje.

Em começo de mandato, João – dotado de imagem pessoal positiva – tem oxigênio e tempo para reagir. E o tem feito, paulatina e homeopaticamente.

Uma coisa, entretanto, é patente. A oposição voltou a respirar. Ajudada, em parte, por uma base governista que oscila entre acanhada e acuada.

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.