Bastidores

A aprovação da Previdência garante a reeleição de Bolsonaro? (por Bruno Boghossian)

2 de maio de 2019 às 13h00
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília - Adriano Machado/Reuters

O deputado Paulinho da Força (SD) disse algo está na cabeça de outros parlamentares. Em ato do 1º de maio, ele afirmou que o Congresso quer desidratar a reforma da Previdência porque acha que a aprovação de um texto potente vai encher o cofre do governo e “garantir de cara” a reeleição de Bolsonaro.

Líderes partidários foram a público para dizer que a ideia era mentira, doidice, loucura. “Acho que o Paulinho se entusiasmou”, declarou Wellington Roberto (PR).

Não existe nenhum acordo formal nesse sentido, mas alguns deputados acreditam, sim, que a reforma dará ao presidente um cheque em branco que se traduzirá em força política. Apertar o torniquete seria uma maneira de restringir a bolada que cairia nas mãos de Bolsonaro.

No limite, a lógica se assemelha ao método de Eduardo Cunha, que liderou o centrão para aprovar uma pauta-bomba que sangraria o caixa já detonado do governo Dilma e desgastaria ainda mais a presidente.

A aprovação da reforma, contudo, estará longe de garantir a reeleição de Bolsonaro. Ao lançar o alerta, Paulinho disse que um projeto levemente enxugado colocaria R$ 80 bilhões por ano no caixa do governo até o fim de 2022, mas os dados do Ministério da Economia apontam que o alívio nas contas não chegaria a metade disso, nos primeiros anos.

Se o texto passar pelo Congresso como está (o que é impossível), a poupança em 2020 será de R$ 16 bilhões. O valor daria uma folga apenas modesta aos ínfimos R$ 100 bilhões que o governo terá no Orçamento do ano que vem para investimentos e custeio da máquina pública.

O cenário é mais complexo. Em abril, perguntaram a Rodrigo Maia se o Congresso temia que Bolsonaro ficasse forte demais. O presidente da Câmara minimizou a preocupação: “Se ele aprovar a reforma, o Brasil crescer, gerar empregos e recuperar a capacidade de investimento, merece ser reeleito. Por que não?”. O novo governo ainda precisa cumprir muitas outras etapas antes de pensar em um segundo mandato.

Folha

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.