Bastidores

O motorista do Brasil (por Leandro Colon)

29 de abril de 2019 às 15h00
O presidente Jair Bolsonaro (de capacete) pilota moto em Guarujá (SP), onde passou o feriado prolongado de Páscoa - Reprodução
“Decisão nossa: não teremos mais nenhuma nova lombada eletrônica no Brasil”, declarou o presidente Jair Bolsonaro no dia 7 de março. Segundo ele, “é quase impossível viajar sem receber uma multa”.

Na visão do chefe da República, o problema não é o motorista imprudente, mas o suposto excesso de vigilância com objetivo de dar lucro a quem explora o setor.

Dias depois daquela declaração, o governo anunciou o envio ao Congresso de projeto para aumentar de 20 para 40 pontos o limite exigido para a suspensão da carteira de habilitação, em um período de 12 meses.

Bolsonaro já tentou, sem sucesso, emplacar uma proposta parecida quando era deputado. Além de diminuir o rigor da punição, ele pretende aumentar o prazo de renovação da CNH de cinco para dez anos.

Reportagem publicada pela Folha neste domingo (28) mostrou que a família do presidente está longe de ser um exemplo de boa conduta no trânsito. Tem de tudo nos prontuários: avanço no farol vermelho, excesso de velocidade, estacionar em local proibido, falar ao telefone durante a viagem e falta de licenciamento.

A primeira-dama, Michelle, e Flávio Bolsonaro, senador e filho do presidente, estouraram o limite de 20 pontos. O Detran-RJ alega que ainda não abriu processo para suspender a carteira da mulher do presidente por causa de um inacreditável passivo de 697 mil ações do tipo.

Em cinco anos, Bolsonaro cometeu seis infrações, duas delas “gravíssimas”. O presidente, segundo os registros do Rio, trafegou em uma faixa exclusiva para ônibus, em Niterói.

Bajulado com motoristas e carros oficiais, Bolsonaro nem precisa dirigir mais. Mesmo assim, conseguiu a proeza de cometer uma infração ao dar uma escapada de moto no Guarujá no feriado de Páscoa.

Folha mostrou que caiu o número de mortes onde há radares. Bolsonaro não está nem aí. Age com
argumentos e teorias que muitas vezes não fazem sentido. Dirige o país como ele e sua família conduzem os próprios carros.