Opinião

Dom Delson, o apascentador

16 de abril de 2019 às 11h57 Por Heron Cid

Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, um filho da pequena Biritinga (BA), assumiu o bastão num dos momentos mais delicados da Igreja Católica, mergulhada no desgaste de denúncias contra líderes e padres.

Dois anos depois daquela posse, acalmou ânimos e ainda luta para reunificar uma congregação rachada em correntes divergentes, um quadro de disputa de poder que explica em parte o desfecho trágico da passagem de Dom Aldo Pagotto por aqui.

O perfil moderado que tem sido o seu principal aliado também é alvo de questionamentos. Afinal, Delson sucede arcebispos como Pagotto, Marcelo Cavalheira e José Maria Pires, profundamente engajados em lutas políticas, cada um dos quais com seu viés e opção ideológica.

O distanciamento é uma opção do atual chefe da Igreja paraibana. Isso ficou alvo como a brancura da camisa que escolheu para a entrevista ao autor do Blog, ontem, no Frente a Frente, da TV Arapuan:

“Eu creio que não é o papel do arcebispo fazer militância política. Depois da Constituição de 1988 entramos em uma fase boa para o país com a redemocratização. O cidadão cresceu, amadureceu e tem espaços. As organizações sociais, os sindicatos, os partidos políticos. É um momento que os leigos, o cidadão de uma forma geral tem amplo espaço para fazer a sua política. Não necessita que a igreja esteja dizendo o que ele tem que fazer ou não fazer”, revidou.

“O cidadão tem autonomia. Porque é que a igreja tem que dizer sempre vote aqui? Acho que é uma questão de respeito. Principalmente agora que foi declarado que o país é laico e que a igreja tem que está no seu lugar e respeitar a autonomia do cidadão. Então eu entendo dessa forma. Em outras épocas o povo precisava de uma orientação por tantas circunstancias que existisse certa liderança que dissesse é por aqui que vocês vão. Hoje não é mais necessário. O cidadão ganhou um status de autonomia que a gente tem que respeitar. A igreja fala de políticas públicas, inspira, dá sugestões para que os católicos, os cidadãos, possam atuar na sociedade. Mas não é o bispo que deve dizer o que é certo ou errado politicamente”, argumentou.

Discreto, dom Delson escolheu a moderação como práxis de sua atuação na mediação de conflitos, a partir daqueles da própria economia interna da Igreja (que são muitos). Como recomenda o momento de tantos tensionamentos, faz o esforço de apascentador em meio ao fogo dos confrontos. Incendiário já tem demais.

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.