Opinião

Censura da Crusoé: uma suprema excrescência

15 de abril de 2019 às 18h08 Por Heron Cid

Ano de 2019. Seria difícil imaginar que a esta altura da vida democrática no Brasil a caneta de um ministro do STF serviria para assinar um atentado contra a liberdade de imprensa. Foi o que grotescamente fez Alexandre de Moraes ao censurar reportagem da revista eletrônica Crusoé. A matéria em questão abordou investigação nos autos da Lava Jato, que envolve o presidente da Corte, Dias Toffoli.

Não se trata de Fake News, como alegou o ex-ministro de Temer. A reportagem tem base em documentos oficiais nos quais o empreiteiro Marcelo Odebrecht reconhece Toffoli como “o amigo do amigo (Lula) de meu pai”, numa das suas mensagens encaminhadas a executivos da empresa.

Toffoli à época era advogado-geral da União e a Odebrecht se movimentava para retirar qualquer dificuldade do caminho e cavar facilidades para ganhar licitações de grandes obras na região Norte.

Moraes mandou retirar a matéria do ar, num flerte que oscila entre corporativismo e abuso de autoridade. Uma excrescência suprema que preocupa por uma gravidade a mais: assombra quando autoridades judiciárias usam prerrogativas para constranger, calar e intimidar quem ousa contrariar, questionar, denunciar ou simplesmente mostrar contradições por trás de togas.

Vídeo

Adoção na Paraíba: relatos de gestos de amor e esperança, que une histórias


Boletim

Dona Candinha sobre a nova cirurgia e internação do presidente:

"Bolsonaro no Hospital. O Brasil passa bem!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Pessoa terá uma eleição pulverizada com vários candidatos ou candidaturas vão se fundir na reta final de 2020?
NÚMERO

80

Número de advogados assassinados nos últimos três anos no Brasil, dados que levam a Apam (Associação Paraibana de Advocacia Municipalista) defender porte de arma para categoria.