Bastidores

Extremos desequilibrantes (por Alvaro Costa e Silva)

13 de abril de 2019 às 16h00
O técnico da seleção brasileira, Tite, durante entrevista à imprensa em Praga, em março deste ano - Michal Cizek/AFP

O poeta e cronista Paulo Mendes Campos gostava de futebol, e mais ainda do Botafogo. De tanto acompanhar o time de Garrincha, Didi e Nilton Santos, ele desenvolveu a tese segundo a qual a Semana de Arte Moderna não havia chegado ao jornalismo esportivo.

Paulinho vivia recolhendo exemplos: “Adentra o tapete verde o facultativo esmeraldino a fim de pensar a contusão do filho do Divino Mestre, mola propulsora do elevem periquito”. Ou seja: o médico do Palmeiras entrara em campo para atender o craque Ademir da Guia.

jargão de hoje é tão intragável quanto o dos tempos de Antônio Cordeiro e Raul Longras, mas sem a graça involuntária. Fulano é importante porque “verticaliza” a jogada. Sicrano sabe fazer a “leitura” da partida. Beltrano é “diferenciado”. Faltam “peças de reposição”. Num jogo da seleção, ouvi um comentarista dizer: “Tem que entrar um jogador que pense por ele e pelos outros”. Ora, nem Didi nem Gérson, os meias mais cerebrais do futebol brasileiro, seriam capazes de tal façanha.

As besteiras revestidas de tecnicismo são comuns sobretudo entre os técnicos. Sebastião Lazaroni, cuja equipe tinha de “galgar parâmetros” em “losangos flutuantes”, exibiu nosso fracasso linguístico na Copa da Itália, em 1990. Bastante criticado na época, o lazaronês, no entanto, não chega aos pés do titês em matéria de complexidade.

“Professor”, mesmo, é o Tite. Que diabos significam “imposição de corpos na marcação”, “maleabilidade dos alas”, “performar o resultado”, “previsibilidade do erro” e —as minhas preferidas— “sinapses no último terço” e “externos desequilibrantes”? Por estas e outras, não surpreende que o futebol praticado no Brasil ande chatíssimo. E a culpa não pode ser atribuída somente ao VAR.

Enquanto isso, os jogadores comemoram os gols rezando e agradecem a vitória, sempre, a Deus. As mensagens Dele são mais fáceis de decifrar.

Folha

Vídeo

MaisTV: qual estado da saúde de João Pessoa? Fulgêncio responde


Motorizado

Dona Candinha sobre a aventura do presidente no feriadão:

"Pelo menos de moto, o presidente tem EQUILÍBRIO!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Quantas vezes mais Romero Rodrigues vai ensaiar saída do PSDB?
NÚMERO

70

Número de escrituras entregues, hoje, pelo prefeito Luciano Cartaxo a título de regularização fundiária de moradores de residenciais construídos pela Prefeitura de João Pessoa.