Bastidores

Estado calamitoso. Por Merval Pereira

13 de abril de 2019 às 15h00

A cidade está abandonada, dominada pela bandidagem. O Estado vive uma calamidade permanente, há anos. Não é possível que dois prédios de quatro andares sejam erguidos sem que o poder público fiscalize. Não apenas em Muzema, mas em várias localidades da cidade, anos após anos reportagens mostram o crescimento vertical de comunidades como a Rocinha. Somos um espelho do que acontece no Brasil todo, onde os milicianos já estão presentes disputando espaço com os traficantes e outros criminosos.

Formadas por militares da ativa e da reserva, têm ligações com as policias locais e trabalham as informações internas que recebem para se manterem longe do alcance da lei. Não se deve falar de omissão, mas de cumplicidade dos diversos órgãos governamentais, pois só assim pode ser explicado o fracasso de seguidos governos estaduais em controlar as milícias e suas ações.

Os governos falharam redondamente no combate ao crime organizado, e a recente tragédia do fuzilamento de um músico por militares é consequência disso. As UPPs, que eram parte de um projeto que deu certo durante algum tempo, foram desperdiçadas pela politicagem do governador Sérgio Cabral, que, para eleger Pezão seu sucessor, espalhou UPPs indiscriminadamente pela cidade, perdendo a capacidade técnica de eficiência.

A cada ano as milícias ficam mais poderosas no Estado do Rio, disputando com o tráfico de drogas o comando de territórios. Milicianos tomam conta de espaços urbanos para construir prédios ilegais, e vendem serviços como distribuição de gás, gatonet, gambiarras de distribuição de luz e água, sem que os órgãos públicos tentem barrar suas ações.

Empreendimentos imobiliários são o mais lucrativo empreendimento das milícias atualmente, uma atividade que vem crescendo de cinco anos para cá.  São prédios sem habite-se, sem escrituras, o poder público não fiscaliza as construções claramente clandestinas, sem segurança para os que os compram.

Esta é uma pratica institucionalizada no Rio, como era com os bicheiros. A ciclovia na Avenida Niemeyer que já desabou três vezes é exemplar desse estado de incúria que domina a cidade. E agora temos um prefeito completamente inoperante, que acha corriqueiro o que aconteceu na cidade devido às fortes chuvas do início da semana.

Estamos com uma cidade e o Estado sem perspectiva, que foram saqueados durante anos por um bando de ladrões. Se pegarmos os vários governadores e prefeitos eleitos recentemente, veremos que ou estão na cadeia, ou já estiveram por lá, ou estão envolvidos em crimes de caixa 2 que geram desleixo, incúria, superfaturamento, obras sem o menor controle de qualidade. Raros são os que escaparam ilesos.

Tudo indica que a relação do crime organizado com a política foi exacerbada no Rio nos últimos tempos, chegando a um ponto de maior de gravidade com o envolvimento da família Bolsonaro com milicianos. Flavio, o 01, deu medalhas a dois policiais depois presos por serem milicianos, e, para ajudar um deles, deu emprego à mãe e à filha no seu gabinete, a pedido de seu assessor  Fabricio Queiroz.

Já fizera, por sinal, vários discursos a favor de milicianos, que definiu como organizações que atuam com base em técnicas militares e “ajudam a combater” o crime, como se não fossem criminosos. O presidente, Jair Bolsonaro também já fizera discurso na Câmara dos Deputados defendendo o papel das milícias.

A família de Queiroz tem vans ilegais em Rio das Pedras, comunidade controlada pelas milícias onde se escondeu no período mais agudo da crise em que se envolveu. O crime organizado domina comunidades pobres, subjugando cerca de 1,7 milhão de pessoas, e em decorrência natural da dominação de territórios, controla votos em regiões do Estado e ganha condições de fazer indicações para cargos, inclusive os responsáveis por delegacias policiais ou comandantes de batalhões da Polícia Militar, prática retomada pelo atual governador Wilson Witzel.

O caso da investigação do assassinato da vereadora Marielle é exemplar. Quando o ministro da Segurança Pública, Raul Jungman, combinou com Raquel Dodge que a Polícia Federal entraria no caso, houve reação. Hoje a Polícia Federal, que faz uma investigação paralela, tem indicações fortes de que a corrupção de policiais atrapalhou as investigações, que cada vez mais incrimina milicianos na sua execução e planejamento.

O Globo

Vídeo

MaisTV: qual estado da saúde de João Pessoa? Fulgêncio responde


Motorizado

Dona Candinha sobre a aventura do presidente no feriadão:

"Pelo menos de moto, o presidente tem EQUILÍBRIO!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Quantas vezes mais Romero Rodrigues vai ensaiar saída do PSDB?
NÚMERO

70

Número de escrituras entregues, hoje, pelo prefeito Luciano Cartaxo a título de regularização fundiária de moradores de residenciais construídos pela Prefeitura de João Pessoa.