Opinião

Apoio à reforma, a notícia boa da DataFolha para Bolsonaro

11 de abril de 2019 às 11h24 Por Heron Cid
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência (PEC 6/19). (Agência Brasil)

Se não tem muito o que celebrar sobre a avaliação da gestão nos 100 dias constante na DataFolha, o Governo Bolsonaro tem, por outro lado, um dado a comemorar. Os números sobre a proposta de reforma da Previdência. Os dados mostram 51% contra, 41% a favor, e 9% entre indiferentes ou sem opinião formada.

Pelo grau de impopularidade, as estatísticas indicam uma adesão considerável a uma medida antipática e amarga.

Qualquer mudança no sistema de aposentadoria atrai rejeição de A à Z. Só de ouvir falar no tema, sem mesmo se debruçar sobre os meandros do texto, o cidadão tende a cuspir fogo. A razão é elementar: quem quer trabalhar mais?

A pesquisa indica que o Brasil está dividido meio a meio sobre o tema. E isso é uma vitória para um governo controverso e conturbado como o do ex-capitão do Exército.

Porque revela que boa parte da sociedade está disposta ao sacrifício em nome da longevidade da Previdência, do equilíbrio fiscal e da recuperação econômica.

Esse ambiente é fundamental para aliviar o peso da cruz dos congressistas, sempre, de alguma forma, reféns das pressões sociais e populares e pouco afeitos ao ônus de avalistas de projetos indigestos. A não ser quando há interesse diretíssimo.

Os dados podem não ser, e nem parecem ser, um mérito da comunicação governo, que até se mexe pouco no empenho da votação, mas chegam como bônus para a batalha da tramitação. E uma notícia boa para 100 dias de notícias ruins.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.