Opinião

Apoio à reforma, a notícia boa da DataFolha para Bolsonaro

11 de abril de 2019 às 11h24 Por Heron Cid
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência (PEC 6/19). (Agência Brasil)

Se não tem muito o que celebrar sobre a avaliação da gestão nos 100 dias constante na DataFolha, o Governo Bolsonaro tem, por outro lado, um dado a comemorar. Os números sobre a proposta de reforma da Previdência. Os dados mostram 51% contra, 41% a favor, e 9% entre indiferentes ou sem opinião formada.

Pelo grau de impopularidade, as estatísticas indicam uma adesão considerável a uma medida antipática e amarga.

Qualquer mudança no sistema de aposentadoria atrai rejeição de A à Z. Só de ouvir falar no tema, sem mesmo se debruçar sobre os meandros do texto, o cidadão tende a cuspir fogo. A razão é elementar: quem quer trabalhar mais?

A pesquisa indica que o Brasil está dividido meio a meio sobre o tema. E isso é uma vitória para um governo controverso e conturbado como o do ex-capitão do Exército.

Porque revela que boa parte da sociedade está disposta ao sacrifício em nome da longevidade da Previdência, do equilíbrio fiscal e da recuperação econômica.

Esse ambiente é fundamental para aliviar o peso da cruz dos congressistas, sempre, de alguma forma, reféns das pressões sociais e populares e pouco afeitos ao ônus de avalistas de projetos indigestos. A não ser quando há interesse diretíssimo.

Os dados podem não ser, e nem parecem ser, um mérito da comunicação governo, que até se mexe pouco no empenho da votação, mas chegam como bônus para a batalha da tramitação. E uma notícia boa para 100 dias de notícias ruins.

Vídeo

Vídeo: Heron Cid frente a frente com Heron Cid


Toffolada

Dona Candinha sobre a última do presidente do Supremo no Caso Flávio Bolsonaro:

"Ele é um de Dias, e outro de noite!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Ainda tem político no Brasil que se sinta confortável e seguro de trocar mensagens via aplicativos?
NÚMERO

1.500

Previsão de geração de empregos com a criação do HELP – Hospital de Ensino, Pesquisa e Laboratório – da Unifacisa, em Campina Grande.