Opinião

O festival de prefeitos e o estrago em Patos

5 de abril de 2019 às 11h07 Por Heron Cid

Patos está entre os três municípios paraibanos praticamente condenados a um quadriênio perdido. Somam-se ao município sertanejo os litorâneos Bayeux e Cabedelo, cujos prefeitos foram afastados.

A “Morada do Sol” tem uma peculiaridade a mais. Em três anos, a cidade convive hoje com o seu quinto prefeito. Três temporários (Lenildo Morais, Bonifácio Rocha e agora Sales Júnior).

Ontem, Patos viveu nova surpresa. O vice-prefeito e prefeito interino, Bonifácio Rocha, pegou o boné e não suportou a carga.

Ele já substituía Dinaldo Filho, o prefeito afastado por denúncias de irregularidades.

Dinaldinho, como é mais conhecido, já havia sido eleito diante do desgaste do afastamento da prefeita anterior, Chica Motta, substituída pelo vice, Lenildo Morais.

A instabilidade e o “rodízio de prefeitos” causa inevitáveis estragos. A economia do município é a que mais sente no seu comércio e serviços.

Nesse clima, servidores ficam sobressaltados, fornecedores em descrédito, cidadãos em suspense e investidores com o pé no freio.

Tão devastador quanto o prejuízo econômico é o estrago na autoestima dos brios da cidade.

Vídeo

Não ouviu? Ouça e reveja programa Hora H desta sexta (17.01.2020)


Novo calendário

Se um dia for parlamentar, Dona Candinha já tem em mente um projeto de lei para instituir um dia de uma categoria em evidência na Paraíba:

"Dia do delator!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o deadline de Romero Rodrigues para a escolha do seu candidato em Campina Grande?
NÚMERO

R$ 150 bilhões

Aporte que o Governo Federal pretende arrecadar com privatizações de estatais e subsidiárias, em 2020.