Opinião

João Pessoa e Campina, os bastiões e desafios da oposição

12 de março de 2019 às 11h29 Por Heron Cid

Dificilmente, os prefeitos Luciano Cartaxo, de João Pessoa, e de Campina Grande, Romero Rodrigues, já têm no colete seus candidatos à sucessão municipal.

Podem até nutrir preferências pessoais, por relacionamento construído com algum nome e visão de potencial político. Escolha, porém, é coisa para mais adiante.

Os dois atuais maiores espólios da oposição são os espaços de resistência ao notório avanço da dominação socialista no território político paraibano.

A manutenção desses bunkers é vital para o futuro e sobrevivência oposicionista.

Nem Luciano e nem Romero encontrarão, entretanto, vida fácil na tarefa.

Em João Pessoa, o PSB expressou força política em 2018 com a vitória de João Azevedo na cidade, frente à candidatura do irmão gêmeo do prefeito. O que obriga o pelotão cartaxista redobrar os esforços, especialmente se precisar enfrentar uma candidatura de um Ricardo Coutinho.

Em Campina Grande, o desempenho do PSB foi muito além do esperado e surpreendeu. O projeto girassol não é mais um ilustre desconhecido e rejeitado na Rainha da Borborema, como se imaginava.

Mas 2018 passou e cada eleição é uma eleição.

A despeito desses fatores envolvendo o poder bélico do adversário, Luciano e Romero sabem que a escolha do candidato é vital. Para a vitória ou a derrota.

É cedo. Ambos têm a favor o tempo para experimentar alternativas e avaliar a perfomance de cada perfil. É a fase laboratorial.

Quem passará no teste?

Vídeo

Entrevista: engenheiro elétrico, deputado dá receita contra “curto-circuito” na AL


Abraham Weintraub

Dona Candinha diz que a Educação no Brasil está igual ao nome do ministro:

"Difícil! "

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Há bombeiros com água suficiente para esfriar o clima de acirramento interno entre o PSB e o governo?
NÚMERO

R$ 24.333.778,89

Recursos que serão recebidos, via FPM, pelas prefeituras paraibanas no mês de maio.