Opinião

Base governista na AL; sobram deputados e falta confiança

28 de dezembro de 2018 às 09h41 Por Heron Cid

No seu melhor momento, a base política do PSB na Assembleia não se entende quanto ao que deveria ser uma simples escolha da próxima presidência da Casa. Esse é um grande paradoxo no fechamento de um ano de glória do Jardim Girassol. Mas não o único.

O da vez é o repentino encaminhamento da Granja Santana para uma votação aberta da eleição da Mesa Diretora da Casa.

E a mensagem explícita que se passa, para dentro e para fora, não poderia deixar de ser desconfortável para os deputados que permanecem e os que se despedem do Poder.

É a declarada desconfiança sobre aqueles que foram às ruas empenhados pela eleição de João e continuidade do “projeto”, agora na iminência de serem escrutinados até num processo interno por natureza e princípio constitucional.

Dois projetos de resolução tramitam: voto aberto e eleição antecipada para a Mesa. Resumo; votos ferrados é o que se pretende.

Algo inimaginável e que poucos deputados do baixo clero se permitiriam levantar numa Câmara Federal ou Senado, os parâmetros mais lógicos.

O jogo bruto até seria compreensível politicamente, não justificável, se houvesse o risco de um adversário arrebatar a caneta de mãos governistas.

Tinha algum sentido quando o plenário era comandado por um adversário juramentado, Ricardo Marcelo, em que se valiam todos os esforços e até manobras para vencê-lo.

Mas, agora, com folga e nenhum sinal de rebeldia ao comando de João Azevedo, qual é a justificativa plausível para tanta energia, pressão, desgaste e suspeitas?

Com uma oposição praticamente reduzida a poeira, o governo não tem mais com quem digladiar.

Na falta de adversário à altura, o Palácio entrou em conflito consigo mesmo e está prestes a assumir o risco de descambar, desnecessariamente, para uma intrigante autofagia, e de alimentar uma silenciosa, porém perigosa, insatisfação da coluna que o mantém de pé.

Vídeo

Repórter MaisTV: Paraíba só tem 30 km de ferrovia ativa


Ressignificando

Se a CPMF voltasse, Dona Candinha já estava pronta para traduzir a nova sigla:

"Cota Permanente para Mamar e Ferrar (CPMF)"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevêdo diz que “há outros motivos por trás” da intervenção no PSB: quais são?
NÚMERO

57%

Percentual de ampliação dos recursos destinados para o Programa de Qualificação das Ações da Vigilância em Saúde – PQA-VS, do Ministério da Saúde, para a Secretaria de Estado da Saúde (SES), valor que saltou de R$ 700 mil para mais de R$ 1,1 milhão.