Opinião

O calvário de Bayeux e a penitência de Berg Lima

21 de dezembro de 2018 às 11h09 Por Heron Cid
STJ deu uma nova chance a Berg Lima; prefeito terá que reconquistar na cidade aqueles que o apedrejam (Foto: Kawê Barreto)

Todo calvário tem sua cruz. A de Bayeux é a instabilidade administrativa e o desgoverno a que a cidade fora submetida desde que o seu prefeito, Berg Lima, fora preso em flagrante, suspeito de receber propina em troca de pagamento a um fornecedor da Prefeitura.

De volta ao comando do município, as penitências vividas por Berg no cárcere e no ostracismo político nem de longe cessaram com aquele ato que assinou retomando os poderes constitucionais do Executivo Municipal.

O prefeito ainda precisará suportar as cicatrizes dos açoites e dos caminhos que andou. Não será do dia para noite que alcançará a respeitabilidade e credibilidade totalmente recuperadas. Esse bônus não estava contido na sentença do Superior Tribunal de Justiça.

Lima terá que reconquistar Bayeux, dia após dia, se é que isso é possível, porque há muitos chicotes a enfrentar na notória ausência de condições políticas geradas pela desaprovação popular ao que ficou exposto nos autos e na opinião pública.

Afinal, confiabilidade não vem por decreto e nem por despacho judicial.

Pela entrevista que deu ontem ao Arapuan Verdade, da Rede Arapuan, Berg está pedindo essa chance, esse crédito.

Antes de obtê-lo, terá que refazer a rota e provar merecimento. Não com sua reconhecida bem concatenada retórica, mas com gestos e ações concretas.

Vídeo

Entrevista: deputado mais jovem conta como sobrevive na cova dos veteranos


Abraham Weintraub

Dona Candinha diz que a Educação no Brasil está igual ao nome do ministro:

"Difícil! "

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O que houve no orçamento da UEPB nos últimos anos foi corte ou contingenciamento?
NÚMERO

R$ 24.333.778,89

Recursos que serão recebidos, via FPM, pelas prefeituras paraibanas no mês de maio.