Opinião

O gesto de João ao “projeto”

7 de dezembro de 2018 às 11h32 Por Heron Cid
Apesar de engenheiro, João Azevêdo lembra de trabalho de pedreiro na construção do "projeto"

Basicamente, o governador eleito João Azevedo seguiu aquela máxima: em time que está ganhando não se mexe. Eis o saldo do primeiro pacote de secretários do futuro governo, anunciado, hoje, pelo socialista nas redes sociais.

Na primeira leva foi quase imperceptível alguma mudança.

Novidade mesmo somente o deputado federal Luiz Couto (Agricultura Familiar), que fica sem mandato em fevereiro, e o empresário Gustavo Feliciano (Turismo), filho da vice-governadora Lígia Feliciano.

Estão de volta, Marialvo Laureano (Receita), Nonato Bandeira (Chefia de Governo) e Efraim Morais (Desenvolvimento da Agropecuária), estes dois frutos de escolhas de cunho político-partidário.

Sem exceção, o núcleo central que deu suporte administrativo ao atual governador Ricardo Coutinho fica e se mantém indissolúvel.

Para começo de conversa, João optou por prestigiar os companheiros da recente e ainda viva batalha vencida. Não deixou ninguém na estrada.

Antes mesmo de botar os pés no Palácio da Redenção, deu o primeiro gesto de lealdade “ao projeto”.

E não deixou sombra de dúvidas sobre o tamanho da influência de Ricardo no governo que virá. Ou que continua.

Confira os nomes:

Vídeo

Vídeo: líder da oposição surpreende e fala em “posições positivas” de João


Nulidades

Para Dona Candinha, o governo tem uma categoria mais problemática do que a dos idiotas úteis:

"A dos idiotas inúteis!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Há bombeiros com água suficiente para esfriar o clima de acirramento interno entre o PSB e o governo?
NÚMERO

12,4%

Número de estagiários com mais de 27 anos, segundo pesquisa realizada pela Companhia de Estágios.