Opinião

As mexidas no time de Ricardo escalam seleção de João

9 de novembro de 2018 às 10h29 Por Heron Cid

Não é normal mudança em período conclusivo de gestão. No caso da Paraíba, até admite-se: o governo vindouro será a continuidade do “projeto” capitaneado pelo governador Ricardo Coutinho.

É o que aparece como justificativa plausível para as mexidas orquestradas recentemente pelo socialista, nos últimos dias de seu comando no Palácio da Redenção.

Roseana Meira fora nomeado semanas atrás para a secretaria-executiva de Segurança Alimentar, do Desenvolvimento Humano do Estado. Tatiana Domiciano sairá da Cinep e segunda-feira assume o comando da importante e estratégica PBgás.

Muito provavelmente, as pedras movidas por Ricardo são combinadas com o governador eleito João Azevedo, direta ou indiretamente.

De todo o modo, Coutinho já vai, ao seu modo, costurando e montando parte do próximo governo. Quando faz escolhas nesse momento, é a forma de pragmaticamente fazer suas indicações pessoais ao sucessor e dizer a ele quem, da sua cota pessoal, gostaria de manter no governo e em quais posições.

Uma estratégia inteligente, digamos. Porque dificilmente, João teria condições políticas de remover alguém nomeado e escolhido pelo antecessor e principal cabo eleitoral no período de transição e pouquíssimo antes de sua posse.

Até 31 de dezembro, Ricardo tem tempo para ir escalando seu time na seleção de Azevedo.

Vídeo

Repórter MaisTV: Paraíba só tem 30 km de ferrovia ativa


Ressignificando

Se a CPMF voltasse, Dona Candinha já estava pronta para traduzir a nova sigla:

"Cota Permanente para Mamar e Ferrar (CPMF)"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevêdo diz que “há outros motivos por trás” da intervenção no PSB: quais são?
NÚMERO

57%

Percentual de ampliação dos recursos destinados para o Programa de Qualificação das Ações da Vigilância em Saúde – PQA-VS, do Ministério da Saúde, para a Secretaria de Estado da Saúde (SES), valor que saltou de R$ 700 mil para mais de R$ 1,1 milhão.