Bastidores

UTI desperta ímpeto intervencionista de Mourão. Por Josias de Souza

14 de setembro de 2018 às 09h57
Antônio Hamilton (Foto: Beto Barata/Estadão)

O drama clínico de Jair Bolsonaro gera dois tipos de sentimento. O primeiro é de solidariedade. O segundo, de apreensão. Sua candidatura oferece um bom resumo da fragilidade institucional do país. Enviado ao topo das pesquisas pela raiva do eleitor, Bolsonaro consolida sua liderança mesmo estando na UTI. E a prosperidade eleitoral produziu um racha na microcoligação do paciente.

Há em torno de Bolsonaro dois partidos. O dele é o PSL, Partido Social Liberal. Todos sabem que não é social. E muitos duvidam que seja liberal. A legenda do vice, o general Hamilton Mourão, é o PRTB, Partido Renovador Trabalista Brasileiro. De renovador não tem nada. De trabalhista, muito menos. Bolsonaro é praticamente um candidato avulso.

A campanha de Bolsonaro está, hoje, nas mãos dos filhos civis e do vice militar. Que brigam por espaço. O general Hamilton Mourão acha que deve substituir o capitão-candidato em eventos como debates na TV, por exemplo. Os filhos de Bolsonaro levam o pé à porta. É como se Mourão, adepto da intervenção militar, ensaiasse um golpe contra alguém que ainda nem chegou ao poder. O Brasil não é mais imprevisível. Tornou-se um país tristemente previsível. É como dizia o popeta Cacaso: ”Ficou moderno o Brasil, ficou moderno o milagre: a água já não vira vinho, vira direto vinagre.”

UOL

Vídeo

Vídeo: Heron Cid frente a frente com Heron Cid


Sai mais em conta

Dona Candinha aprovou o convite de Bolsonaro ao filho, Eduardo, na embaixador dos Estados Unidos e até torce para nomeação dos outros dois ‘garotos’ do presidente em novas embaixadas:

"Três problemas a menos!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Ainda tem político no Brasil que se sinta confortável e seguro de trocar mensagens via aplicativos?
NÚMERO

0,9%

Crescimento da inadimplência no primeiro semestre de 2019, segundo pesquisa feita pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Esta, no entanto, é a segunda menor variação desde 2012, quando a inadimplência cresceu 5,8% no primeiro semestre daquele ano.