Bastidores

Eunício derrota Ciro no Ceará. Por Ricardo Noblat

9 de agosto de 2018 às 08h26
O presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, durante sessão para análise e votação de cinco vetos presidenciais que trancam a pauta (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foi infernal o último fim de semana do candidato Ciro Gomes (PDT). Sem sucesso, ele tentou até o último momento desmontar a coligação do seu partido com o PT do governador do Ceará Camilo Santana e com o PMDB do senador Eunício Oliveira.

O problema de Ciro é com Eunício. Ele o detesta e não o quer no seu palanque. Ocorre que Cid Gomes, ex-governador do Ceará e irmão de Ciro, é candidato ao Senado e ocupará uma das vagas na chapa de Camilo, candidato à reeleição. Eunício ocupará a outra.

Foi com a autorização dos irmãos Gomes que Camilo, sucessor de Cid no governo, atraiu Eunício para sua chapa. Depois disso, Ciro deu para trás. Cid não deu para não se arriscar a perder uma eleição tida como certa. Então Ciro ficou sozinho na sua rejeição a Eunício.

No último sábado, Ciro ficou indignado ao saber que na convenção do PMDB havia dois enormes retratos – um do irmão Cid, outro de Eunício. No domingo, na convenção do PT, mais dois retratos gigantes – um dele, Ciro, o outro de Lula.

Na ocasião, Camilo exaltou as qualidades de Lula e não se referiu a Ciro. Eunício, que apareceu por lá, desfilou com um adesivo de Lula – e desde então tem repetido diariamente que apoia Lula para presidente e que espera vê-lo livre antes das eleições.

A vida de Ciro está difícil até mesmo no seu Estado.

Vídeo

Entrevista: deputado mais jovem conta como sobrevive na cova dos veteranos


Abraham Weintraub

Dona Candinha diz que a Educação no Brasil está igual ao nome do ministro:

"Difícil! "

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O que houve no orçamento da UEPB nos últimos anos foi corte ou contingenciamento?
NÚMERO

R$ 24.333.778,89

Recursos que serão recebidos, via FPM, pelas prefeituras paraibanas no mês de maio.