Opinião

Contradição: corte nas pesquisas, aumento de salários

8 de agosto de 2018 às 10h51 Por Heron Cid
Debate do momento inverte valores e mostra que Brasil é um País de prioridades tortas

O Brasil é mesmo um País de contrastes. De um lado, o Governo Federal corta recursos para pesquisas nas universidades. Do outro, o Judiciário se esgoela pedindo aumento salarial, sob argumento de perdas desde 2015.

Essa contradição foi levantada ontem na tribuna da Câmara pelo deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB).

Durante sua fala, o parlamentar afirmou que nenhum cidadão brasileiro, em sua consciência, permite calado alguns privilégios, algumas regalias que continuam a existir no País.

“A consciência do País não comporta mais aquilo que vi no jornal hoje: o debate por aumento de salário dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, que causa um impacto orçamentário de mais de 3 bilhões, enquanto uma bolsa de doutorado tem um custo de R$ 2.200 e uma bolsa de mestrado de R$ 1.200 e há uma ameaça de corte dessa ajuda de custo por falta de R$ 300 milhões”, comparou.

O que dizer, depois desses números? Que o Brasil é torto nas prioridades.

O Congresso, por exemplo, não aceita emagrecer um centavo no seu alto custo. Mas aceita debater e até sacrificar pesquisas e a qualificação da educação. Quanta ignorância.

Vídeo

Entrevista: deputado mais jovem conta como sobrevive na cova dos veteranos


Abraham Weintraub

Dona Candinha diz que a Educação no Brasil está igual ao nome do ministro:

"Difícil! "

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O que houve no orçamento da UEPB nos últimos anos foi corte ou contingenciamento?
NÚMERO

R$ 24.333.778,89

Recursos que serão recebidos, via FPM, pelas prefeituras paraibanas no mês de maio.