Bastidores

Temer rejeita ideia de trocar ministros palacianos. Por Josias de Souza

23 de outubro de 2017 às 09h36
Michel Temer, Moreira Franco e Eliseu Padilha (Pedro Ladeira/Folha)

Michel Temer discute em privado os planos para a continuidade do seu governo após o provável sepultamento na Câmara da denúncia que o acusa de integrar organização criminosa e obstruir a Justiça. O presidente foi aconselhado a iniciar pelo Palácio do Planalto uma reformulação de sua equipe ministerial. Reagiu à sugestão com frieza. Depois, comentou com outro interlocutor: “Acha que tenho condições de mandar embora meus amigos da vida inteira?”

Temer referia-se aos ministros palacianos Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). Ambos foram acusados de integrar a organização criminosa estrelada pelo presidente. Mas nada parece abalar o prestígio de que desfrutam. Eles compõem, ao lado do tucano Antonio Imbassahy, ministro responsável pela coordenação política do governo, o seleto grupo de auxiliares com liberdade para virar a maçaneta da porta da sala do presidente.

A sugestão para que Temer reformulasse os quadros do Planalto teve inspiração mais operacional do que ética. Avalia-se que a equipe perdeu a funcionalidade. Imbassahy deveria gerenciar o balcão da fisiologia. Mas se indispôs com o grosso da clientela parlamentar do governo. Deputados de partidos do centrão —PP, PR, PSD e assemelhados— desligaram o coordenador político de Temer da tomada. Muitos abriram negociações paralelas com Padilha. Mas a maioria não sossega enquando não entrega as demandas diretamente a Temer.

Deve-se sobretudo ao escudo do foro privilegiado a apreensão de Temer com os “amigos” Moreira e Padilha. Afastados do ministério, os dois desceriam do Supremo Tribunal Federal para a primeira instância do Judiciário. Ficariam em situação análoga à do ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso preventivamente no presídio brasiliense da Papuda. Os defensores da tese de que o Planalto precisa de caras novas não compram integralmente a desculpa de Temer, pois os amigos não precisariam ser enviados ao olho da rua. Bastaria transferi-los para outros ministérios, deslocando-os da vitrine do Planalto para os fundões do governo.

Travado longe dos refletores, o debate sobre os quadros do Planalto vem acompanhado de uma pregação em favor da reforma de toda a equipe ministerial. Excluindo-se Padilha e Moreira, que ainda não manifestaram a intenção de pedir votos em 2018, há na Esplanada algo como 17 ministros que cultivam o plano de disputar mandatos eletivos no ano que vem. A conta inclui Henrique Meirelles (Fazenda), que ensaia uma candidatura presidencial.

Temer não ignora que terá que realizar uma reforma ministerial. Mas vinha planejando as trocas para daqui a seis meses, já que o prazo legal para os candidatos deixarem seus cargos no Executivo é o início de abril. Haverá, no entanto, um pressão para que o presidente antecipe o calendário. O movimento deixa o PSDB em situação constrangedora. O partido entrou no governo meio envergonhado. Beliscou quatro ministérios. Um pedaço do tucanato passou a defender o desembarque. Mas o partido foi ficando. Agora, corre o risco de ser colocado para fora da Esplanada aos empurrões.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Carnaval abre folia eleitoral de 2020”


Canonização

Dona Candinha sobre o encontro do ex-presidente Lula e Francisco, no Vaticano:

"Um santo e o Papa!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se João Azevêdo e Luciano Cartaxo se entenderem, tem segundo turno em João Pessoa?
NÚMERO

200 mil

Estimativa de público, durante as cinco noites da Festa da Luz, realizada no Parque do Poeta Ronaldo Cunha Lima, em Guarabira.