Bastidores

Eles não desistem nunca. Por Ricardo Noblat

24 de agosto de 2017 às 10h06
Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo)

A decisão da Câmara dos Deputados de não criar um fundo de R$ 3,6 bilhões para financiar as campanhas eleitorais do próximo ano facilitou a aprovação pela Câmara de um fundo de R$ 3,6 bilhões ou de menos para financiar as campanhas eleitorais do próximo ano.

Contraditório? Explico.

Por se tratar de emenda à Constituição, a criação, agora, do fundo previsto na proposta de reforma política exigiria o mínimo de 304 votos favoráveis de um total de 513. Só um deputado, ontem, teve peito para votar a favor.

Caberá à Comissão de Orçamento da Câmara estipular um novo ou o mesmo valor de RS 3,6 bilhões para financiar as campanhas. Fará isso subtraindo verbas de outras áreas quando se debruçar sobre o orçamento da União para 2018.

O que a comissão decidir será submetido à votação do plenário da Câmara. Com uma brutal diferença: para que seja aprovado, basta que 257 deputados estejam no plenário. E basta que metade mais um deles concordem com a proposta da comissão.

Se preferir não criar um fundo específico para financiar as campanhas, a Comissão de Orçamento poderá se limitar a sugerir o aumento do volume de dinheiro destinado ao Fundo Partidário, aquele que já existe e que paga despesas dos partidos.

Viu como ficou mais fácil?

Descarte-se a hipótese de os políticos disputarem as próximas eleições com pouco dinheiro ou sem. Eles são tudo, menos bobos ou filantropos.

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Coronavírus lá fora e o efeito dentro da gente”


Os próximos 9 meses

Assanhada, Dona Candinha diz que nem tudo é privação e saiu-se com essa:

"Vêm aí os filhos da quarentena!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Na roleta russa lançada, quem vai arriscar sair de casa?
NÚMERO

240 mortes

Levantamento os casos do Brasil no último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, na noite desta quarta-feira.