Opinião

O (bom) exemplo de Areia

16 de julho de 2017 às 09h36 Por Heron Cid

AREIA – Dos 223 municípios paraibanos, a maioria ainda não conseguiu encontrar o fio da meada.

Me refiro a um dado: falta a um imenso contingente encontrar sua vocação e potencialidade, condições basilares para o traçado do desenvolvimento.

Areia, de onde escrevo no Brejo paraibano, está felizmente no rol destas exceções. Por aqui, é fácil constatar um DNA, uma identidade bem definida, de sua essência e aptidão.

Encravada no alto da Serra, a terra de Pedro Américo – um dos maiores pintores romancistas do mundo – sabe ser e sabe dar.

A valorização de seu significado histórico é respirado e vivido, com prazer, pelos seus 24 mil habitantes.

Os museus e a manutenção da sua arquitetura colonial e o afeto pela perpetuação dos costumes antigos, como a exploração da cana de açucar, dão uma atmosfera diferenciada.

A forma como cada cidadão abraça essa ‘cultura’ é algo singular.

Aqui, tive a oportunidade de passear pelas ruas, de ouvir pessoas e tomar depoimentos de gente que tem orgulho de ser de onde é. De ser o que é.

Donos de bodegas, jovens, que fazem questão de perpetuar o trabalho iniciado pelos antepassados na propagação da produção da cachaça.

Empreendedores investem na qualificação, nos processos e no orgulho de fazer do município uma referência no setor e na disputa pelos primeiros lugares dos rankings regionais e nacionais.

Funcionários de casarios históricos a falar com orgulho da história e de personagens de vulto da cidade.

Pelas ruas estreitas e conservadas, os ventos de nostalgia sopram por toda a parte.

Basta olhar moços e velhos reunidos em torno da mesa de bilhar, à moda antiga. Ou provar nos barris de seus estabelecimentos licores de todos os sabores e cores.

O sentido da ‘preservação’ é levado a sério.

Sem esforço, mas com paixão, com alma. Sentimento que faz toda a diferença e encanta visitantes, feito eu e tantos outros.

Aqui se combina como poucos a história, o culto ao passado, com o olhar no futuro dos investimentos para consolidação da exploração da cachaça de “marca”.

Areia – toda cheia de charme – é assim.

Produz bebida de alto teor alcóolico, mas se mantém sóbria nos seus passos e horizontes.

Faz um frio danado, mas sabe acolher e aquecer a quem chega com muito calor.

Como não se apaixonar? Como não voltar?

Vídeo

Meu comentário na Hora H: “Julgamento no STJ é ‘vida’ ou ‘morte’ política para Ricardo”


Canonização

Dona Candinha sobre o encontro do ex-presidente Lula e Francisco, no Vaticano:

"Um santo e o Papa!"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
Se João Azevêdo e Luciano Cartaxo se entenderem, tem segundo turno em João Pessoa?
NÚMERO

200 mil

Estimativa de público, durante as cinco noites da Festa da Luz, realizada no Parque do Poeta Ronaldo Cunha Lima, em Guarabira.