Opinião

A tese de Buba

22 de maio de 2017 às 10h10 Por Heron Cid

Quanto mais opções internas para o debate melhor. É o que advoga o deputado licenciado e secretário Buba Germano para a estratégia eleitoral do governo para 2018.

Lembrado entre os nomes do PSB, Buba é pragmático e considera que todos terão tempo e oportunidades para se viabilizarem como a melhor alternativa.

Ele inclui nessa lista a vice-governadora Lígia Feliciano, mas insere uma condicionante em caso de ascensão dela ao Palácio na hipótese de desincompatibilização do governador Ricardo Coutinho; a pedetista deve aceitar estar no rol das opções com concorrentes internos, sem ser automaticamente alçada à condição de candidata nata.

Buba, porém, admite que o os demais devem assimilar a postulação à reeleição da vice, num cenário em que ela se apresente como o trunfo mais consistente.

Germano está aproveitando os espaços. Por delegação de Ricardo, tem apresentado as audiências do Orçamento Democrático e estudado números e dados da gestão.

É o que acha que todos os outros devem fazer à medida das oportunidades dadas pelo governador, cada qual em situações e áreas específicas.

Ninguém é candidato e nem também pode ser descartado de véspera. Todos estão em fase de testes e provas. Eis a síntese do pensamento de Buba. Resta saber se tem o visto do professor Ricardo…

Vídeo

Repórter MaisTV: Paraíba só tem 30 km de ferrovia ativa


Ressignificando

Se a CPMF voltasse, Dona Candinha já estava pronta para traduzir a nova sigla:

"Cota Permanente para Mamar e Ferrar (CPMF)"
PONTO DE INTERROGAÇÃO
João Azevêdo diz que “há outros motivos por trás” da intervenção no PSB: quais são?
NÚMERO

57%

Percentual de ampliação dos recursos destinados para o Programa de Qualificação das Ações da Vigilância em Saúde – PQA-VS, do Ministério da Saúde, para a Secretaria de Estado da Saúde (SES), valor que saltou de R$ 700 mil para mais de R$ 1,1 milhão.