Bastidores

O crime é sério. Por Jânio de Freitas

14 de março de 2019 às 12h00
Protesto (Foto: Marcelo Sayão/EFE)

Menos atraente, mas não menos importante, a descoberta involuntária do estoque de armas de combate, em seguida à prisão do matador de Marielle Franco, lança sobre a polícia e as promotoras do caso o primeiro efeito. Inutiliza o seu argumento de que Ronnie Lessa agiu “por repulsa à atuação política da vereadora”, sob impulso da obsessão contra “pessoas que se dedicam às causas das minorias”. Para dar consequência fatal à alegada obsessão, Ronnie Lessa, ou qualquer outro, não precisaria de 117 fuzis do conceituado modelo M-16. E nem é certo que o depósito encontrado seja o único.

Do raso mergulho na psicologia de Lessa, polícia e promotoras trouxeram ainda a dedução de estarem diante de um contrabandista. Logo, uma das misteriosas fontes do armamento que domina favelas e fortalece o chamado crime organizado. É uma hipótese. A mais fácil. Por isso, incapaz de explicar, com o estoque de fuzis, a presença de silenciosos, objetos que abafam o som do tiro e que não são usados pelo crime organizado nem pelos traficantes favelados.

As armas à espera de montagem indicam uma técnica de contrabando ainda não considerada aqui. Exceto umas três peças —gatilho, cano e coronha, de formas muito conhecidas—, as demais podem entrar até por vias legais, como peças de reposição para tal ou qual indústria. As outras podem ter fabricação aqui. Além disso, a entrada ilegal de armas dá à Polícia Federal, enfim, uma brecha para a ansiada presença no caso Marielle.

Ronnie Lessa é um veio novo, proliferante e, sabe-se lá, talvez inconveniente para partes das polícias. A criminalidade expandida no Brasil reserva ainda assombrosas surpresas.

Também a divulgação das autorias do crime contra Marielle, a 48 horas de um ano completado desde sua ocorrência, adotou uma justificativa inaceitável. Quando a veracidade não atrapalhará ações futuras, a desinformação é um desrespeito. Polícia e Promotoria decidiram pelas prisões e divulgação, não porque a investigação chegasse agora ao estado “maduro”, como foi dito, mas para evitar o achincalhe que a frustração hoje despejaria sobre esses investigadores do crime. Uma providência compreensível, com um complemento ridículo.

Ainda que não houvesse todos os elementos de comprovação agora disponíveis, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz já estavam derrotados há perto de 90 dias. Pouco depois de assumir, o governador Wilson Witzel não se aguentou e, sem motivo para tanto, disse a repórteres que “logo se saberá quem cometeu o crime”. Talvez não soubesse o nome, mas estava informado da identificação feita. Antes de encerrada a intervenção na Segurança do Rio, em 31 de dezembro, os interventores e generais Richard e Braga já diziam esperar a revelação ainda antes de deixarem os cargos.

Não há “segunda fase” sendo iniciada, esta para prender possíveis mandantes. Mas identificar interessados na morte de Marielle, para localizar o personagem determinante, foi a primeira reação da polícia ao crime. Objetivo não abandonado desde então. A etapa atual pode ser, isso sim, a de obter mais provas ou aprofundar descobertas na criminalidade. Mas criar essas fantasias de segunda fase, estado maduro e que tais não ludibria os visados e engana o público.

Melhor é Bolsonaro, que na campanha deu aos opositores a escolha entre ir para a cadeia ou para o exílio, e já dois —a filósofa Márcia Tiburi e o eleito deputado Jean Wyllys — foram salvar as suas e as vidas de parentes onde lhes deem esse direito.

Vídeo

Vídeo-comentário: “fantasma” do Caso Marielle assombra Palácio do Planalto


Extremos

Dona Candinha sobre os últimos acontecimentos na Ágora paraibana:

"Um governo que não tem limites e uma oposição limitada!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o clima governista para enfrentar a oposição esta semana na Assembleia, pós-prisão de Livânia?
NÚMERO

71

Número de vagas do concurso público anunciado pela Prefeitura do Conde, litoral sul paraibano.