Bastidores

Massacre de Suzano é importação da realidade dos EUA? Por Pedro Doria

14 de março de 2019 às 15h00
Flores foram colocadas em frente a escola estadual Professor Raul Brasil em homenagem aos mortos Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

É preciso encarar a hipótese de que, ao importar o discurso político a respeito de armas dos EUA, tenhamos importado também os massacres aleatórios em lugares públicos. Foram dois seguidos. Um na Catedral de Campinas, em dezembro, e agora este, em Suzano.

O Brasil é violento. Sempre foi. Mas a nossa violência nós a reconhecemos. Os policiais militares, muitas vezes negros, que sobem morro acima e matam traficantes, quase sempre negros, não são muito distintos dos capitães do mato, também em geral negros, que subiam aos quilombos para matar escravos fugidos. A elite brasileira sempre terceirizou a prática de violência para combate à violência que vem dos negros pobres.

São padrões documentados desde a Colônia: linchamentos. Grupos de extermínio por oficiais da lei. Tortura de gente pobre. E, claro, a fúria rancorosa do homem pobre que, num país desigual, mata com ódio aquele que assalta. O crime com igual ódio do homem em relação à mulher que descobre não controlar. Não vai aqui nenhuma defesa de qualquer violência. Todas devem encarar a Justiça. Mas a gente reconhece de cara a nossa violência. Ela nos pertence e é secular.

Assim como reconhecemos crimes que não são nossos.

Há massacres aleatórios pontuais. Em 1999, um rapaz matou três em um cinema, em São Paulo. Em 2011, um ex-aluno matou 12 em uma escola carioca. Só que agora temos dois seguidos. E é justamente quando o presidente da República faz, das armas, seu principal símbolo político.

Massacres contra vítimas aleatórias, nos EUA, estão documentados desde o século 19. É cultura deles. Só não eram frequentes.

A NRA, Associação Nacional de Rifles dos EUA, foi por mais de século um pacato clube de caçadores. Em 1977, um grupo de militantes políticos profissionais fez uma manobra para assumir o comando da entidade e a transformou, a partir dos anos Reagan, em um poderoso lobby pró-Partido Republicano e pró-armamento. Repentinamente, o direito de ter armas, que não mobilizava ninguém ao debate, se tornou um dos principais temas da política. Não há vereador que não tenha posição sobre o assunto, todo político é cobrado a seu respeito.

Nos anos Clinton, quando se radicalizou o debate entre republicanos e democratas e a questão das armas se impôs de vez na agenda política, também os massacres em escolas começaram a ficar comuns.

Não é possível afirmar que Campinas e Suzano sejam consequência de um presidente cuja principal marca seja o armamentismo. Mas a hipótese grita.

O Globo

Vídeo

Vídeo-comentário: “fantasma” do Caso Marielle assombra Palácio do Planalto


Extremos

Dona Candinha sobre os últimos acontecimentos na Ágora paraibana:

"Um governo que não tem limites e uma oposição limitada!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o clima governista para enfrentar a oposição esta semana na Assembleia, pós-prisão de Livânia?
NÚMERO

71

Número de vagas do concurso público anunciado pela Prefeitura do Conde, litoral sul paraibano.