Bastidores

Da cadeia para a prefeitura. Por Bernardo Mello Franco

14 de março de 2019 às 16h00
O atual prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV) | Divulgação / Luciana Carneiro

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, comemorou o Natal em março. Sua família manteve a árvore montada e adiou a ceia para esperá-lo. Ele voltou para casa ontem à noite, depois de três meses na cadeia.

O pedetista foi preso em dezembro, acusado de chefiar um esquema de corrupção ligado a empresas de ônibus. Como o vice havia renunciado, a cidade ficou nas mãos do presidente da Câmara dos Vereadores.

O Ministério Público sustenta que o grupo de Neves desviou R$ 10,9 milhões. Ele diz que é inocente e não teve chance de se defender. “Fui preso sem nunca ter sido ouvido. Sou investigado há 11 meses e não acharam nenhuma prova. É uma coisa de maluco”, afirma.

A Promotoria acusa o prefeito de cobrar 20% de pedágio sobre o reembolso de gratuidades previstas em lei. Ele diz que nunca pediu propina e que impôs exigências que contrariaram os empresários.

“Quando assumi, Niterói tinha três tarifas diferentes. Unifiquei pela menor, e hoje a cidade tem a passagem mais barata do Estado. Também exigi que 90% da frota tivesse ar condicionado. Essas medidas reduziram o lucro das empresas”, defende-se.

Na terça-feira, o Tribunal de Justiça revogou a prisão preventiva por seis votos a um. Neves foi afastado e preso antes de virar réu. A denúncia só deve ser examinada em abril, ressalta o advogado Técio Lins e Silva.

Sociólogo, o prefeito diz ter lido 40 livros para passar o tempo no cárcere. A lista incluiu a releitura de clássicos, como “Casa-Grande & Senzala” e “Raízes do Brasil”, e quatro títulos de Nelson Mandela.

Preso numa cela com outros 42 detentos, o pedetista conta que sofreu com o verão de Bangu. À noite, pendurava uma toalha molhada sobre a cama para aliviar o calor e conseguir pegar no sono. “Saí convencido de que o encarceramento não recupera ninguém”, afirma.

Uma vez por dia, o prefeito tinha direito a banho de sol. “Ficava dando voltas na quadra. Trinta para um lado e trinta para o outro, para não ficar tonto”. Ontem ele sentiu a mesma tontura ao atravessar a Ponte a caminho de casa. “Depois de tanto tempo numa cela, você fica meio desorientado”, explica.

O Globo
Vídeo

Vídeo-comentário: “fantasma” do Caso Marielle assombra Palácio do Planalto


Extremos

Dona Candinha sobre os últimos acontecimentos na Ágora paraibana:

"Um governo que não tem limites e uma oposição limitada!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Qual é o clima governista para enfrentar a oposição esta semana na Assembleia, pós-prisão de Livânia?
NÚMERO

71

Número de vagas do concurso público anunciado pela Prefeitura do Conde, litoral sul paraibano.