Opinião

Alagado em “tragédias”, Brasil precisa de reza

8 de fevereiro de 2019 às 10h49 Por Heron Cid

O Brasil é um país cheio de fé. Só não se sabe bem fé em quê, como provoca o paraibano Hebert Viana, dos Paralamas, em sua Alagados.

Bem que o brasileiro – a maioria cristã – tem nesse exato momento motivo de sobra para exercer sua crença em forças superiores.

Com um presidente recém-empossado no leito de hospital, estamos vendo o seu quadro de saúde agravando para uma pneumonia.

Logo um presidente eleito tão aguardado depois de um impeachment e de um governo tampão moribundo e rejeitado ao máximo pelas ruas.

Ao mesmo tempo, a deprimente cena do maior líder popular e carismático do País preso, com duas condenações de doze anos nas costas e uma carruagem de novos processos a caminho.

O líder da oposição até pouco tempo, Aécio Neves, feito um zumbi nos corredores de Brasília, para onde renovou a imunidade parlamentar dessa vez como deputado federal, e sem autoridade moral para abrir a boca em plenário.

Tem mais. Pipocam outras tragédias e desastres no meio ambiente.

Lama destrói casas em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte, após rompimento de barragem – Eduardo Anizelli – 26.jan.19/Folhapress

Brumadinho matando aos montes, as chuvas do Rio vitimando mais gente e hoje um incêndio queimando vivas dez pessoas no Centro de Treinamento do Flamengo, o clube de futebol mais popular da Nação.

Na falta de esperadas notícias boas, resta-nos rezar nesse começo de 2019. Estamos “filhos da mesma agonia” e ‘alagados’ numa maré ruim.

Nunca foi tão necessária a “arte de viver da fé”…

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.