Bastidores

A sorte de Flávio e do pai. Por Ricardo Noblat

8 de fevereiro de 2019 às 10h00
Bolsonaro e o filho Flávio em entrevista no CCBB | Jorge William
Pare para pensar: e se em plena campanha eleitoral no ano passado tivesse vazado a informação de que o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL) estava sendo investigado pelo Núcleo de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro por suspeita de enriquecimento ilícito?

Que impacto sofreria a candidatura dele ao Senado? E, por tabela, a candidatura do pai a presidente da República? São dois homens de muita sorte, convenhamos. Tanto mais porque também não se ficou sabendo à época da ligação deles com milicianos.

Flávio começou a ser investigado em maio último por determinação da procuradora regional da República, Maria Helena de Paula, então coordenadora criminal, segundo informou ontem o Jornal Nacional. Recaem sobre ele as suspeitas de aumento patrimonial exponencial e de negociações relâmpago e extremamente lucrativas.

Junte-se a isso a outra investigação, essa no âmbito eleitoral, que apura falsificação de documento público para fins eleitorais e de lavagem de dinheiro.

O senador eleito declara-se um perseguido por ser filho de quem é.

Veja

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.