Bastidores

A hora do vamos ver. Por Dora Kramer

8 de fevereiro de 2019 às 11h00
Palácio do Planalto, em Brasília

Não demorou dois dias para o governo experimentar um aperitivo de fel produzido no Congresso: o deputado escolhido para liderar a tropa governista na Câmara tentou mas não conseguiu reunir os liderados porque eles simplesmente não lhe reconheceram a liderança. Donde deram de ombros à escolha feita no Palácio do Planalto, num gesto tão significativo quanto inédito em se tratando de governo ainda cheirando a leite das urnas.

Os deputados mataram na nascente a ideia do gênio palaciano que resolveu nomear um novato (Major Vitor Hugo) para a tarefa de articulador na Câmara, provavelmente achando que, assim, manejaria as coisas diretamente de seu gabinete do outro lado da Praça dos Três Poderes, e quem sabe criar entraves ao presidente da Casa, Rodrigo Maia, eleito a despeito dos esforços do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

O episódio é uma pequena demonstração de que a realidade certamente se imporá muito mais dura do que imaginavam os novos locatários do poder. Deu errado privilegiar a inexperiência na Câmara; veremos o que acontecerá no Senado agora presidido pelo estreante Davi Alcolumbre. O conceito de “novo” não é garantia de nada, para o bem ou para o mal. Impedir que Renan Calheiros fosse presidente outra vez foi uma medida saneadora, mas não resolve as coisas nem para a necessária revitalização do Congresso nem para o andamento dos indispensáveis trabalhos governamentais.

O comportamento dos senadores nas duas sessões para a eleição do presidente não recomenda. E não falo das manobras, dos insultos e excessos que tais, já devida e amplamente condenados. Aponto para a importância que um bom número de estreantes dá ao papel das redes no exercício do mandato. Isso dificulta, quando não impede, o trâmite de qualquer matéria que não tenha a chancela da popularidade fácil.

Como fazer andar uma reforma da Previdência nesse tipo de ambiente é a dúvida que fica de imediato para ser dirimida adiante, na hipótese de o governo conseguir se organizar minimamente se não quiser perecer de velhice precoce, vítima da novidade que em alguns casos (neste, por exemplo) se traduz em inconsistência, ineficácia e, no limite, paralisia administrativa por ausência de cancha na política.

Veja

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.