Opinião

Frente a Frente com Márcio Murilo, desembargador sem meias palavras

11 de dezembro de 2018 às 09h38 Por Heron Cid

Por muito tempo, o Judiciário se fechou em copas. Uma postura que variou entre preservação institucional – por um prisma – e encastelamento – por outro.

A vida, a sociedade e a magistratura mudaram. O véu se rasgou, digamos assim, e a deusa da justiça mostrou sua face.

Márcio Murilo da Cunha Ramos, jovem desembargador, é dessa nova geração disposta a se expor e prestar contas do que faz e do que pensa.

Eleito presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, Márcio ficou Frente a Frente, ontem, comigo e colegas jornalistas da Rede Arapuan.

Falou sobre tudo, não se furtou a responder nada. Enfrentou, de cara e peito aberto, temas indigestos, defendeu sua classe, admitiu problemas, insuficiências e refletiu sobre soluções.

Disse, por exemplo, ser a favor dos direitos humanos dos delinquentes, mas sem esquecer os danos sofridos pelas vítimas, a serem reparadas pelo Estado.

Foi respeitoso, diplomático, mas não perdeu a altivez ao falar sobre o orçamento a que o TJ tem direito, contingenciado há anos pelo atual governo.

Quer abrir um outro canal de diálogo com o governador eleito João Azevedo, a quem pretende convencer que um Judiciário forte, sadio e cumpridor de suas demandas sociais é indispensável à cidadania a que o governo deve estar compromissado.

Tratou a Operação Lava Jato como paradigmática e pedagógica para dentro e para fora da magistratura e elogiou a postura do juiz Sérgio Moro, que “renunciou” à carreira para “servir ao País” no Ministério da Justiça.

Usuário assíduo das redes sociais, para Márcio Murilo a exposição nunca foi problema. Na medida e no tom certo é solução. Um caminho que ele deve seguir, quando empossado for, para “abrir” ainda mais o Tribunal aos seus jurisdicionados.

Quem conhece já sabia, mas quem o viu e ouviu pela primeira vez ontem pelas lentes da TV Arapuan não tem dúvidas: estamos diante de um desembargador sem papas na língua, sem meias palavras.

Sua passagem pelo TJ, portanto, tem tudo para ser “forte”. Como sua personalidade.

Vídeo

Vídeo: a soltura de Temer; Direito versus impunidade


Déjà vu

Na hora que soube da prisão de Temer, Dona Candinha lembrou logo de uma frase profética de Dilma:

"Eu quero saudar a mandioca!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
O grupo de Luciano Cartaxo ainda mira algum projeto de poder estadual no futuro e qual?
NÚMERO

Dois

Hotéis que se preparam para aportar em Cabedelo, cidade privilegiada pela beleza de sua orla marítima, mas ainda sem exploração turística proporcional ao seu potencial.