Bastidores

Criador e criatura. Por Álvaro Costa e Silva

5 de dezembro de 2018 às 13h30
Francisco Dornelles, governador em exercício do Rio de Janeiro - Mauro Pimentel/Folhapress

Se nenhuma surpresa acontecer, Francisco Dornelles ficará até o fim do ano como governador em exercício, desafio que ele, aos 83 anos, classifica como o último de sua vida pública. Também serão os derradeiros dias de poder do grupo liderado por Sérgio Cabral, cujas práticas corruptas causaram um prejuízo ao Estado de cerca de R$ 1,5 bilhão, segundo investigações da Lava Jato. O curioso é como as duas pontas do desastre se fecham: Dornelles foi um dos inventores políticos de Cabral.

Um passo decisivo na trajetória do ex-governador foi eleger-se, em 1995, presidente da Alerj, tornando-se o coordenador dos pagamentos de propina a deputados estaduais feitos por empresários do setor de transportes. Cabral só conseguiu o cargo por indicação de Dornelles, na época uma das eminências pardas da chamada Nova República.

Francisco Dornelles praticamente nasceu dentro da coisa. É descendente de Amador Bueno, capitão-mor e ouvidor da Capitania de São Vicente, e dos bandeirantes Francisco Bueno e Bartolomeu Bueno, o Moço. Seu avô paterno era irmão da mãe de Getúlio Vargas. Seu pai casou-se com a irmã de Tancredo Neves. Secretário da Receita Federal no governo João Figueiredo, Dornelles costurou a aproximação do tio Tancredo com os generais da ditadura.

Com um pistolão desses, foi fácil para Sérgio Cabral assumir a liderança fisiológica do antigo PMDB fluminense. A diferença é que ele não seguiu o conselho da velha raposa: mostrar-se, dali em diante, um político conservador e discreto como manda o figurino.

Em seu livro recém-lançado “Se Não Fosse o Cabral” (Tordesilhas), o jornalista Tom Cardoso conta que, por recomendação de Dornelles, Cabral passou a comprar lenços antioleosidade da marca japonesa Shiseido, uma das mais caras do mercado. São os mesmos que o governador em exercício continuará usando para enxugar o suor do rosto em seus últimos dias de poder.

Folha
Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.