Opinião

A oposição no divã: uma questão de ego

13 de novembro de 2018 às 10h33 Por Heron Cid
Cena de "Sessão de Terapia", seriado exibido pelo canal GNT

Passado o tsunami das urnas de 2018, a oposição da Paraíba aproxima-se do divã.

Os principais líderes oposicionistas tentam decifrar a psicologia dos problemas que levaram o grupo ao insucesso e a assistir, de boca aberta, a vitória do terceiro mandato do PSB.

Dias atrás, o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, falou em demora para escolha do candidato. Mas foi ele um dos principais causadores da corda esticada.

Ontem, o prefeito Luciano Cartaxo repetiu a tese. O próprio Luciano também demorou e nunca disse efetivamente que era candidato. Entregou a decisão à oposição.

Já Lucélio Cartaxo, candidato do PV ao governo, apontou a divisão como a maior pedra no caminho.

Cássio Cunha Lima e José Maranhão, por enquanto, estão em silêncio. Ainda refletem sobre o vendaval.

Maranhão de nada pode reclamar. Ele foi, deliberadamente, o estopim do racha, desde o princípio. Cumpriu, portanto, uma estratégia.

Cássio também não. Dentro do PSDB, deixou a coisa correr frouxa. Resultado: nem o partido teve candidato e nem deixou o mais competitivo ser.

O fato é que a oposição tem a falta de unidade como sintoma permanente na sua psiquê. E não é de hoje. 2018 reeditou a divisão de 2014.

E esse dilema nem só Freud explica. O conflito de interesses próprios e o apego a projetos pessoais diagnosticam o nome da patologia: ego.

A terapia já pode começar agora bem antes de 2022 chegar.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.