Bastidores

Bolsonaro não chegou a acordo com o presidente eleito. Por Ruy Castro

7 de novembro de 2018 às 19h00
Jair Bolsonaro (Foto: Diego Vara / Reuters)

Um hotel de São Paulo anuncia uma novidade: um robô —aliás, uma robô, chamada Rebeca— que ficará rodando pelo saguão fazendo o papel de concièrge. Ela está equipada para responder a perguntas dos hóspedes sobre os serviços básicos, como horários de refeições, senhas do wi-fi, atrações na vizinhança etc. E parece que “fala”. Mas o importante é que dá as respostas certas. O que Rebeca falar você poderá escrever.

Não seria mal que o presidente eleito Jair Bolsonaro tivesse uma robô como Rebeca para dizer o que o seu governo pretende mesmo fazer. Evitaria os palpites desencontrados cometidos por seus homens de confiança. Exemplos. É verdade que, contrariando o que prometeu, o governo vai ressuscitar a CPMF? É para cortar 25 mil cargos de confiança mesmo só havendo 23 mil? Haverá um trailer da reforma da Previdência este ano ou tudo ficará para o ano que vem? E é para fechar o Supremo Tribunal Federal com um soldado e um cabo, ou quem falou isso é caso para psiquiatra?

É para fundir mesmo o Ministério da Agricultura com o do Meio Ambiente ou recuar pela grita no exterior ou porque até o pessoal do agro começou a achar que era uma falsa boa ideia? É para se meter na questão entre israelenses e palestinos mudando a embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém e enfurecer os árabes, com quem o Brasil tem vasto comércio, ou fazer de conta que não falou nada e voltar atrás? É para cortar o cabelo todo dia ou basta uma vez por semana?

É para deixar político dar palpite na economia ou cada um que fique na sua esperando ordem para falar? É para apoiar a liberdade dos jornais ou ameaçar os que o desagradarem e barrá-los em suas coletivas?

Por enquanto, Rebeca, a robô, não tem vontade própria. Só fala o que lhe foi ensinado por seu programador. Já o programador de Bolsonaro —ele próprio— ainda não chegou a um acordo com o presidente eleito.

Folha
Vídeo

Vídeo-entrevista: Líder da Oposição crê em “diálogo mais fácil” com João


Quando é pra dar errado..

Dona Candinha descobriu qual é a Lei mais lida pela oposição da Paraíba nos últimos dias:

"Lei de Murphy!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
No acordo da base girassol, quem cederá? Adriano Galdino ou Buba Germano?
NÚMERO

R$ 500 mil

Valor liberado pelo Ministério da Justiça para a Defensoria Pública da Paraíba para interiorização aos atendimentos.