Bastidores

Queda na rejeição a Bolsonaro foi maior entre pobres, nordestinos e mulheres

16 de outubro de 2018 às 15h27
O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, durante entrevista Foto: Marcelo Theobald/Agência O Globo/11-10-2018
BRASÍLIA — A queda na rejeição do candidato do PSL à Presidência,Jair Bolsonaro, registrada na última pesquisa do Ibope, que passou de 43% para 35% em oito dias, foi puxada principalmente por quatro segmentos da população: pessoas com renda familiar de até um salário mínimo (redução de 13 pontos percentuais), nordestinos , pessoas que estudaram até o ensino médio (queda de 12 pontos em ambos) e mulheres (10 pontos).

Durante o primeiro turno, Bolsonaro foi acusado pelos adversários de tratar mal mulheres e de adotar políticas contrárias aos mais pobres. Além disso, o Nordeste foi a única região em que o candidato não venceu no primeiro turno.

A rejeição era maior no Nordeste: no levantamento feito entre os dias 5 e 6 de outubro, 61% dos moradores da região não cogitavam votar nele. Na pesquisa mais recentes, feita no sábado e no domingo, o número caiu para 49%.

Entre os mais pobres, passou de 56% para 43%. Antes, 49% das mulheres rejeitavam Bolsonaro, agora são 39%. E entre quem concluiu o ensino médio, o índice passou de 42% para 30%.

Ao mesmo tempo, a rejeição do adversário de Bolsonaro, Fernando Haddad (PT), cresceu 11 pontos, passando de 36% para 47%. O maior crescimento, de 16 pontos percentuais, foi entre as pessoas que tem entre 45 e 54 anos. No segmento logo abaixo, de 35 a 44 anos, o aumento foi de 15 pontos.

Vídeo

Vídeo-entrevista: Líder da Oposição crê em “diálogo mais fácil” com João


Quando é pra dar errado..

Dona Candinha descobriu qual é a Lei mais lida pela oposição da Paraíba nos últimos dias:

"Lei de Murphy!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
No acordo da base girassol, quem cederá? Adriano Galdino ou Buba Germano?
NÚMERO

R$ 500 mil

Valor liberado pelo Ministério da Justiça para a Defensoria Pública da Paraíba para interiorização aos atendimentos.