Bastidores

Patos: a canetada eleitoral de Bonifácio

15 de outubro de 2018 às 18h22
Bonifácio Rocha: depois da eleição, um pé na bunda de contratados e comissionados

Uma semana depois do fechamento das urnas, o prefeito interino de Patos, Bonifácio Rocha (PPS), acordou com um desejo incontrolável de fazer “equilíbrio fiscal”. E tomou uma decisão: exonerou todos os servidores com cargos de provimento em comissão da Administração Direta e Indireta da gestão e reincidiu todos os contratos de excepcional interesse público ou de outra natureza.

No Diário Oficial do Município, uma tentativa de justificativa. Só agora, dois meses após ter assumido à Prefeitura com o afastamento do titular, Dinaldo Filho (PSDB), Rocha descobriu a necessidade de redução de gastos para enfrentar a “grave crise financeira que transpassa o município de Patos”.

Até o domingo das eleições estaduais, Bonifácio tinha preferido segurar a onda e manter na estrutura do municípios contratados e comissionados. Passado o pleito, o interino promoveu a faxina e descartou os ‘indesejáveis’.

Austeridade pós-eleitoral. Coisas da política.

Vídeo

Secretário de Segurança da PB vê “muita coisa boa” no Plano de Moro


Terapia federal

No auge da sua experiência, Dona Candinha já sabe o que o Governo Bolsonaro mais precisa nesse momento:

"Divã!"

PONTO DE INTERROGAÇÃO
Com quantos deputados a oposição realmente conta na Assembleia?
NÚMERO

65 e 62

Idades mínimas para aposentadoria de homens e mulheres, respectivamente, constante da proposta do Governo Federal para a reforma da Previdência.